Na audiência no TAS, em Lausana, na Suíça, o clube belga, representado pelo diretor jurídico, Pierre Locht, e por Me Vanthyghem, tentou demonstrar que tinha a intenção de manter os irmãos antes da proposta proveniente do FC Porto.

O processo remonta ao verão de 2014, quando os irmãos Tony e Celéstin Djim se transferiram para o FC Porto.

“Entregamos ao TAS as propostas de contrato enviadas pelo correio ao pai dos dois futebolistas, Luciano Djim [ex-jogador do Charleroi e do La Louvière]”, disse Pierre Loch após a audiência.

Ainda de acordo com Pierre Loch, “o FC Porto argumenta que o pai dos irmãos Djim nega ter recebido essas propostas enviadas pelo correio”.

É agora o mais alto tribunal de justiça desportiva que irá decidir se o Standard de Liège manifestou ou não vontade de manter os seus dois jogadores formados na academia. A decisão do TAS deverá ser conhecida dentro de dois meses.

Esta não é a primeira vez que o Standard de Liège interpõe uma ação judicial contra o FC Porto, uma vez que em 2014 o clube belga também recorreu à FIFA para exigir a compensação financeira da formação de Joris Kayembe.

Neste processo, o clube belga foi bem-sucedido, já que a FIFA condenou o FC Porto a pagar uma indemnização de 190 mil euros ao Standard de Liège, respeitantes à formação de Joris Kayembe.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.