“A PSP irá criar um perímetro mais alargado para que, por um lado, as equipas possam entrar no devido tempo e em segurança, e de forma a auxiliar a não criar ajuntamentos. E queremos apelar ao dever cívico de recolhimento, que ainda se mantém. A haver essa necessidade, estaremos para ajudar”, vincou o intendente da PSP Francisco Alves, acrescentando: “Vamos ter neste perímetro alargado um conjunto de equipas para ajudar em todos os sentidos”.

Numa conferência de imprensa muito marcada pelas questões sobre os festejos do título ‘leonino’, na passada terça-feira, o intendente Francisco Alves recusou comentar as consequências desse caso, nomeadamente o pedido do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, à Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) para a abertura de um inquérito sobre a atuação da PSP e tentou focar o discurso “no presente e no futuro”.

“Relativamente à situação dos festejos no Marquês [de Pombal], está a correr um inquérito. Será discutido em sede própria, que não é esta, seguramente”, explicou o intendente da PSP, que, perante a insistência dos jornalistas sobre essa matéria, reforçou: “Não estamos a fugir às perguntas. Não é o que nos trouxe hoje aqui, elas serão esclarecidas em sede própria”.

O Sindicato Nacional de Oficiais da Polícia revelou na quinta-feira que a PSP apresentou propostas alternativas para as comemorações do Sporting como campeão nacional de futebol, que não foram aceites, e que deu parecer negativo à festa que se realizou junto ao estádio. Questionado se o plano de segurança delineado para o dérbi deste sábado foi alvo de alguma alteração ou objeção por parte dos clubes intervenientes, Francisco Alves negou.

“Não existiu nenhum parecer negativo. O planeamento que fizemos é este que vos transmiti e é livre de constrangimentos”, notou, rejeitando revelar se o clube de Alvalade deixou alguma mensagem à PSP pelos acontecimentos de terça-feira.

Em relação ao encontro entre os dois rivais de Lisboa, a PSP reconheceu que, apesar de o jogo ser à porta fechada, devido à pandemia de covid-19, haverá “fortes constrangimentos de movimentação” nas imediações do Estádio da Luz e pediu às pessoas para que “evitem deslocações que não sejam necessárias” para aquela zona da cidade. Paralelamente, foi revelado que vão estar ainda em ação “medidas preventivas” junto do Estádio José Alvalade.

“O policiamento está preparado para auxiliar e para demover as pessoas destes ajuntamentos. Estou em crer que respeitando este princípio do dever de recolhimento, o evento será um sucesso”, vincou o intendente da PSP, sublinhando: “Este apelo que faço é para conjugarmos esforços no sentido de respeitar o Estado de Direito e a autoridade policial. Vamos dar um passo em frente e respeitar quem está a trabalhar. Estamos aqui para ajudar”.

Já em relação a uma manifestação contra o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, que estará a ser planeada para a zona do recinto dos ‘encarnados’, a PSP esclareceu que “não foi dada comunicação” de uma autorização oficial para essa iniciativa.

O jogo entre o Benfica, terceiro classificado da I Liga, e o Sporting, já consagrado campeão nacional, está marcado para este sábado, às 18:00, no Estádio da Luz.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.