Depois da eliminação nos ‘oitavos’ do país anfitrião, o Egito de Mohamed Salah, perante a África do Sul, e de Marrocos, face ao Benim, mais duas formações fortes caíram, os ganeses no desempate por penáltis e os malianos com um golo ‘tardio’.

Num jogo muito equilibrado, a Tunísia abriu o marcador aos 73 minutos por Taha Khenissi, na sequência de uma boa combinação do flanco direito, com o médio ala Wadji Kechrida a cruzar para a área ganesa, onde surgiu, desmarcado, o avançado do Esperance Tunis a desviar a bola para o fundo das redes.

O golo abalou e retirou discernimento aos jogadores ganeses, que, na ânsia de chegarem ao empate, acabaram por facilitar a tarefa à defesa tunisina, ao optarem por um jogo direto e aéreo.

Ironia das ironias, aos 90 minutos, o selecionador tunisino Alain Giresse, campeão da Europa pela França, decidiu, justamente para precaver as bolas ‘bombeadas’ para a sua área, trocar o avançado autor do golo por um central, Rami Bedoui, e este, dois minutos depois, fez o autogolo que forçou o prolongamento.

O Gana não estava a ser capaz de criar qualquer oportunidade de golo, mas beneficiou de um livre para a área e Bedoui, mais preocupado com a marcação a um opositor do que em seguir a trajetória da bola, acabou por cabeceá-la para a sua baliza de forma deficiente, assinando um golo de ‘chapéu’ ao seu guarda-redes, na primeira vez que tocou na bola.

A fífia de Bedoui ‘ofereceu’ o prolongamento ao Gana, que não aproveitou e acabou eliminado nos penáltis, em que a Tunísia foi mais competente, ao acertar todos os remates e beneficiar de uma defesa do guarda-redes suplente Ben Mustapha, que Giresse lançou a poucos segundos do final do prolongamento, para o desempate.

No outro jogo de hoje dos ‘oitavos’, a Costa do Marfim surpreendeu o Mali, que pecou na finalização durante a primeira parte, na qual foi superior, e consentiu um golo inadmissível aos 76 minutos, pelo avançado Wilfried Zaha, do Crystal Palace.

Numa bola direta lançada para o meio-campo do Mali, a defesa permitiu que aquela batesse no relvado, tomasse altura e fosse cair nas suas costas, onde surgiu Zaha, desmarcado, a bater o guarda-redes Djigui Diarra.

De nada valeu o assédio final do Mali, nem o poderio físico do portista Moussa Marega, que jogou durante os 90 minutos, para travar o apuramento dos costa-marfinenses, que fecharam todos os caminhos que levavam à sua grande área.

Pela seleção maliana, alinhou o jogador do Sporting Abdoulaye Diaby, que seria substituído aos 53 minutos por Adama Traoré.

Estão assim definidos os quatro jogos dos quartos de final, que são Senegal-Benim, Madagáscar-Tunísia, Costa do Marfim-Argélia e Nigéria-África do Sul.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.