Andrew Parsons declarou o encerramento dos Jogos após um espetáculo de música e dança, lembrando o proeminente cientista, que morreu na terça-feira, aos 76 anos, depois de sofrer de esclerose lateral amiotrófica desde os 21, o que não o impediu de continuar a trabalhar.

“Como Hawking continuou a testar os limites da sua imaginação, vocês, atletas paralímpicos, voltaram a testar os limites do esforço humano”, afirmou o brasileiro, que entregou a bandeira paralímpica a representantes de Pequim, que recebe os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno em 2022.

No medalheiro paralímpico, e ao fim de nove dias em que cerca de 670 atletas, de 45 países, disputaram 80 títulos, os Estados Unidos acabaram no topo, com 36 medalhas, 13 de ouro.

Em segundo lugar, terminaram os atletas russos, que competiram sob a bandeira olímpica, com 24 medalhas, oito de ouro, com o Canadá em terceiro, com 28 medalhas, quatro de ouro.

O resto do topo da tabela é dominado por nações europeias, com a França (20 medalhas), a Alemanha (19) e a Ucrânia (22, nenhuma de ouro).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.