De acordo com o organismo regulador do futebol europeu, o seu Comité de Ética e Disciplina está a investigar situações ocorridas na Arena Puskás, o único estádio do Euro2020 a permitir a totalidade da capacidade com espectadores.

Em declarações à AFP, um porta-voz da UEFA explicou que as situações incidem sobre a apresentação nas bancadas de uma bandeira homofóbica no jogo com Portugal, denunciada pela associação FARE, organização que luta pela igualdade no futebol, e, no jogo com a França, com sons insultuosos vindos das bancadas onde se encontravam os adeptos ‘ultras’ húngaros.

O inquérito da UEFA surge depois de o organismo admitir transferir para Budapeste os jogos previstos para Londres, caso o governo britânico não conceda exceções em matéria de isolamento dos adeptos, devido à pandemia da covid-19.

O incidente no jogo de Portugal acontece também poucos dias depois de a Hungria ter aprovado legislação que proíbe a divulgação de quaisquer informações ou conteúdos relativos à orientação sexual, identidade ou expressão de género e características sexuais junto de menores de 18 anos.

Também no âmbito do Euro2020, a cidade de Munique solicitou à UEFA autorização para iluminar o seu estádio com as cores do arco-íris da comunidade LGBT, como protesto contra a nova lei húngara, antes do Alemanha-Hungria de quarta-feira.

O grupo F do Euro2020 é liderado pela França, com quatro pontos, seguida da Alemanha e de Portugal, ambos com três, e da Hungria, com um ponto.

Na quarta-feira, na terceira e última jornada do grupo, Portugal volta a jogar na Arena Puskás, diante da campeã mundial França, e a Alemanha joga com a Hungria, na Allianz Arena, em Munique, com ambos os jogos a terem início marcado para as 20:00 (hora de Lisboa).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.