O ex-Barreirense e ex-Benfica (um ano) pisou este ano os palcos, de forma alternada, da G-League e da NBA, a mais famosa liga de basquetebol profissional do mundo, mas ainda não se estreou pela seleção nacional.

Representar a equipa da Quinas “é uma questão de tempo”, assumiu numa conversa tida no meio de um campo de basket 3x3 montado com vista para o rio Tejo, aos pés da Doca do Espanhol, em Lisboa, ação promovida pela Betclic, casa de apostas patrocinadora das Ligas portuguesa masculina e feminina.

“É algo para muito breve e algo que quero muito fazer. Representar a seleção e ajudar Portugal a chegar ao mais alto nível”, revelou o poste. Instado a comentar onde pode chegar a seleção nacional, antecipa ter esta “todas as condições para poder sonhar” e “num futuro a médio ou longo prazo, realizarmos bons campeonatos europeus”, antevê. “O céu é o limite. Os jogadores jogam fora desde tenra idade, temos boas seleções jovens e, a partir de agora, é tentar evoluir e seguir o foco”, apontou.

Apesar de se ter mudado para os EUA ao ingressar na Universidade de Utah, Neemias não deixou de seguir o que se passa internamente, muito por causa das duas irmãs, também elas jogadoras de basquetebol. “Desde pequeno, no Barreirense, sempre estivemos interligados”, recordou, referindo-se à equipa masculina e feminina, uma das forças do clube da Margem Sul.

Terminado o ano de rookie na NBA, Neemias Queta recordou os primeiros passos quando iniciou o lançamento de bolas ao cesto. “Quando comecei não era um objetivo, era uma ideia, um sonho. Era muito pequeno e não tinha a noção do que tinha de trabalhar para chegar à NBA”, reconheceu. “Mas com o passar dos anos, passou a ser um objetivo e comecei a trabalhar para isso”, frisou.

Na estreia entre aqueles com quem um dia sonhou jogar ao lado, recorda uma das praxes de entrada entre os gigantes da NBA. “Tive a sorte de não me ter calhado uma mala cor-de-rosa das Winx", contou, a rir, ao falar dos rituais existentes. “Fui às compras, comprar comida para antes dos jogos. Fiz um bom papel e um bom trabalho, não me deram muito na cabeça”, atirou Neemias, “moço de recados” dos Sacramento.

A alternância entre a NBA e a G-League ajudou-o a crescer. “Foi bom para mim estar na G-League, ter minutos de jogo e estar com bom ritmo a jogar”, admitiu.

Em relação aos jogos ao lado das grandes estrelas, considerou ter sido “surreal estar no meio daquela gente toda que via na televisão”, relatou. “Cada vez que ia à equipa principal, tinha bons treinos, aprendia com os mais velhos e percebia o que era preciso para ter condições para fazer uma boa carreira na NBA”, sublinhou.

Para a próxima época, sem saber que camisola irá vestir, Neemia Queta, deixa uma promessa: “continuar a trabalhar”, disparou, convicto. “Tenho boa margem de progressão para continuar a crescer, para ser, no futuro, um bom jogador", disse.

“[A força] vem de dentro. Tenho uma fé muito forte e a partir do momento que tenho a minha família sempre do meu lado, facilita-me a vida”, asseverou. “Tenho sempre uma boa relação com todos e tenho amigos de infância até hoje” afirmou ao mesmo tempo que destacou ter sabido “manter os pés bem assentes na terra, saber de onde vim e para onde quero ir”, alinhou questionado por André Braz, realizador do documentário (Dream Big”) sobre a sua pessoa e a chegada à NBA.

Questionado pelos jornalistas [ver Perg], assumiu que, desde jovem, dorme “uma sesta” de “uma hora a hora e meia” antes dos jogos, ritual inalterado apesar de pisar os palcos da NBA. A meditação e a reserva para o seu espaço ajuda-o a lidar com a pressão.

Treina de manhã “em equipa”, entre três a quatro horas, puxa pelo físico individualmente e à noite costuma passar pelo pavilhão para treinar sozinho. Tudo para “evoluir”, atestou o n.º 88 dos Kings, um rapaz “novo” que gosta de “videojogos, ver televisão e passear com os amigos pela cidade”.

Questionado pelo Bola ao Ar, reconhece ter de “evoluir em termos físicos e adaptar ao nível da fisicalidade que há na NBA”, sustentou.

“Aprender a defender melhor lateralmente e aprender a jogar melhor no confronto direto, sair para fora da zona de conforto, aprender a tocar no perímetro e a trocar com os bases. É um processo que não está bem acabado mas estou a trabalhar para chegar a esse nível consistente”, enumerou.

Não pensa em ser o melhor jogador português de sempre. Sente-se bem em Sacramento, não sabe ainda onde vai jogar no próximo ano mas sabe de cor e salteado que NBA “é um negócio” no qual a continuidade depende da vontade das duas partes.

Perguntas e Respostas | Neemias Queta

Momento mais marcante

“Provavelmente a estreia. Senti-me muito feliz, foi sempre algo que quis, fazer parte da NBA, jogar. O draft foi bom mas jogar, experienciar sempre o que quiseste fazer é indescritível. Foram muitos minutos e muitas horas a pensar chegar àquele momento e finalmente chegar e usufruir da maneira que consegui, foi muito gratificante”.

O primeiro momento ao lado das estrelas

“Passado os jogos e as horas, habituas-te, soltas-te e começas a perceber que pertences lá. É mais trabalhar para chegar onde queres ir”.

Adaptação

“É um estilo de vida diferente. Algo novo, mas senti-me confortável, tens todas as condições para jogar ao mais alto nível. Não é tão difícil quanto parece”. 

Dificuldades

Acumulação de tudo. Estar longe da família, trabalhar todos os dias, foi difícil ficar um ano sozinho, mas ao tempo gratificante, porque deu para crescer”.

Mais minutos e próxima época

“Preocupo-me comigo e tento jogar ao meu melhor nível e ajudar a equipa da melhor maneira possível. O trabalho do treinador é escolher alguém para se sentar, para jogar, não podemos jogar todos. Sinto que tenho as minhas oportunidades e o que posso fazer é trabalhar para estar pronto quando a oportunidade chegar”. 

Ser o melhor basquetebolista português da história

Não penso nisso. Ainda sou muito novo para pensar em coisas assim. Tenho de viver mais o mundo e aproveitar o que tenho estado a viver e preocupar-me o que posso fazer a cada dia, em vez de estar a pensar em ser o melhor jogador português de sempre

Rituais

“Sesta antes do jogo, uma hora ou hora e meia, faz parte da minha rotina, faço isso desde miúdo e tem-me ajudado imenso. Costumo meditar”.

Momentos de pressão

“Nestes momentos gosto de me afastar um bocado, ter um espaço para mim mesmo, pensar no que quero fazer e relaxar. Dá para canalizar energias para o que sinto que tenho mesmo de fazer e preocupar-me com o mais importante: o jogo”.

Elogios

“Um dos elogios que mais me marcou foi um dos treinadores ter dito que eu podia, eventualmente, discutir um prémio de jogador defensivo. Deu-me muita motivação para continuar. Sei que sou muito novo e ainda tenho muito pela frente, mas é uma espécie de meta que tenho. No momento que me dizem isso, fico com isso na cabeça e a partir de agora é continuar a trabalhar”

Mudar o chip do G-League para NBA — Stockton Kings VS Sacramento Kings

“Tentava preocupar-me com o jogo. Acima de tudo é basket, são cinco para cinco e é igual, é mais uma questão de jogar com colegas de equipa que têm jogadas diferentes da outra e de preparar-me mentalmente para o que vou fazer, qual o esquema defensivo”.

Rotinas e dia normal

“O dia começa muito cedo, chegamos ao pavilhão, treinamos em equipa e fazemos levantamento de pesos individualmente, durante três ou quatro horas. A tarde é mais cada um por si. À noite costumo ir treinar. Quero mesmo evoluir. A tarde é mais passada em tempos livres, hobbies. O que eu gosto de fazer? Sou muito novo, gosto de jogar videojogos, ver televisão, passear com os amigos pela cidade...”

Sair do clube para jogar mais

“É cedo para isso. Tenho uma boa relação com a equipa, mas até estar tudo assinado e estar tudo na mesma bitola, não há garantias. Isto é um negócio e temos de estar prontos, tudo pode acontecer. Gosto de Sacramento, sei que gostam de mim. A partir do momento que houver interesse, de um ou do outro, podemos resolver facilmente”.

Característica de poste e o que teve de melhorar (Bola ao Ar)

Evoluir em termos físicos e adaptar ao nível da fisicalidade que há ao nível da NBA. Deixam jogar mais fisicamente no poste baixo, o que não é muito comum no College. Aprender a defender melhor lateralmente e aprender a jogar melhor no confronto direto, sair para fora da zona de conforto, aprender a tocar no perímetro. É um processo que não está bem acabado, mas estou a  trabalhar para chegar a esse nível consistente”.

119 minutos

“Acima de tudo é uma conquista boa. Para mim. Temos Portugal no mapa com isso. Dá para ter uma ideia do que tenho de evoluir para o ano para poder ter mais minutos. Consegui fazer parte e encaixar bem e não ser uma peça à parte”. 

Crescimento

“Trabalhar mais no físico. Tem sido o meu foco. Aprender a estender jogo e lançar mais de fora. Já me sinto bem debaixo o cesto com qualquer mão, direita ou esquerda”. 

Kings fora dos playoffs

“Ambição é ajudar a equipa a ganhar e estar ao mais alto nível. Estar fora dos playoffs ainda dá mais fome para ajudar fazer parte da equipa que acabou com a seca dos playoffs. Temos um bom grupo, temos tudo para dar certo para acabar com essa maldição”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.