A imagem dos futebolistas dispostos numa roda no círculo central do relvado, com um dos joelhos posados na relva, percorreu as redes sociais de Jordan Henderson, Fabinho, Firmino, Wijnaldum, James Milner, Van Dijk e Trent-Alexander Arnold, entre outros.

A mensagem foi unânime, “a união faz a força” e a “vidas negras importam”, o ‘slogan’ do movimento antirracismo nos Estados Unidos, que têm sido cenário de manifestações e confrontos após a morte de George Floyd no início da última semana.

O gesto tornou-se popular quando em 2016 o futebolista da NFL (futebol americano) Colin Kaepernick decidiu ajoelhar-se antes de cada jogo, em protesto contra a desigualdade e brutalidade racial existente.

Uma situação que originou apoio, mas também muitas críticas, com Kaepernick, considerado um dos melhores jogadores da NFL, a não encontrar equipa em 2017.

Do mundo do desporto têm sido algumas as figuras importantes a levantar a voz contra a discriminação racial, e nas últimas horas Marcus Rashford (Manchester United), Lewis Hamilton (Fórmula 1) ou Michael Jordan (ex-jogador da NBA) fizeram-se ouvir.

O futebolista dos ‘red devils’ escreveu que está a tentar entender o que se passa no mundo.

“Num momento em que nos pedem que estejamos juntos, que estejamos unidos e trabalhemos juntos, parece que estamos mais divididos do que nunca. Pessoas estão a magoar e pessoas precisam de respostas”, escreveu o jogador.

Rashford pede então justiça para George Floyd, Ahmaud Arbery, um jovem afro-americano de 25 anos de idade, morto em 23 de fevereiro por um pai e filho enquanto fazia ‘jogging’, ou Breonna Taylor, de 26 anos, morta em março quando dormia, com a polícia a invadir erradamente a sua casa.

Do mundo do desporto também no fim de semana, os futebolistas Jadon Sancho e Achraf Hakimi marcaram golos pelo Borussia Dortmund e comemoraram com inscrições nas camisolas: “justiça para George Floyd”.

E já hoje, Lewis Hamilton e Michael Jordan condenaram o racismo e o silêncio de boa parte das pessoas.

"Ninguém mexe um simples dedo no meu setor [Fórmula 1], que é verdadeiramente um desporto dominado por brancos. Eu sou uma das únicas pessoas de cor lá, ainda estou sozinho", disse Lewis Hamilton, o campeão mundial em título.

Já a ex-estrela de basquetebol da NBA Michael Jordan juntou-se a atletas de todo o mundo que lamentaram a morte do afro-americano.

Michael Jordan denunciou o "racismo enraizado" nos Estados Unidos, sublinhando estar "profundamente entristecido, a sofrer genuinamente", dizendo-se "ao lado daqueles que se manifestam contra o racismo e a violência contra pessoas de cor no país".

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu na noite de segunda-feira em Minneapolis, após uma intervenção policial violenta, cujas imagens em vídeo foram divulgadas através da internet.

Floyd foi detido por suspeita de ter tentado pagar com uma nota falsa de 20 dólares num supermercado.

No vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ver um dos polícias, entretanto acusado de homicídio negligente, a pressionar o pescoço de Floyd com o joelho durante vários minutos, apesar de este ter dito que não conseguia respirar.

Desde então, várias cidades norte-americanas, incluindo Washington e Nova Iorque, têm sido palco de manifestações, com os protestos a resultarem frequentemente em confrontos com a polícia.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.