Segundo o futebolista internacional pela Inglaterra, em entrevista à BBC, o que sucedeu na ilha de Míconos foi uma situação em que se defendeu depois de pensar que o grupo "estava a ser raptado" e de ser agredido nas pernas, enquanto ameaçavam terminar-lhe a carreira.

O defesa de 27 anos disse "lamentar estar na situação", mas não admite pedir desculpa, algo reservado "a quando se faz algo de errado", o que não considera ser o caso.

Negou ainda subornar a polícia, uma acusação "ridícula", e manifestou confiança "na justiça grega", após apelar da decisão. "Temos mais tempo para nos prepararmos, reunir provas, permitir testemunhas. Estou muito confiante de que a verdade sairá", atirou.

Maguire saiu da lista de Gareth Southgate para a Liga das Nações, desfalcando a Inglaterra, numa decisão anunciada pela federação inglesa (FA) poucas horas depois de o companheiro de Bruno Fernandes e Diogo Dalot no Manchester United ter sido declarado culpado pelo tribunal, face à agressão a um polícia, tentativa de suborno, lesões corporais e insultos verbais na Grécia.

Segundo a imprensa local, a polícia foi chamada a intervir para pôr fim a uma altercação, mas três pessoas do grupo no qual se incluía o defesa internacional inglês agrediram os agentes da autoridade.

O grupo foi levado para a esquadra, onde continuou a agredir verbal e fisicamente os agentes, tendo a polícia efetuado detenções formais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.