Recuemos até 2008, quando Lewis Hamilton estava na moda. O inglês acabava de se tornar por apenas um ponto no mais jovem campeão do Mundo de F1, apenas com 23 anos. Para muitos, o sucesso vinha com um ano de atraso, depois de no ano de estreia, em 2007, Hamilton ter perdido o título por apenas um ponto, apesar de ter ido para a última corrida como favorito. Além disso, competia contra Fernando Alonso, nada mais nada menos do que o bicampeão do Mundo em título, o homem que derrotou Schumacher. Em 2008, o jovem piloto da McLaren não foi tão consistente, mas teve o apoio total da equipa e conseguiu superar Felipe Massa (Ferrari) na corrida para o título.

Depois de duas épocas de muito e precoce sucesso, os entendidos em Fórmula 1 apostavam que Hamilton se tornaria no “próximo Scumacher”, partindo também de um ponto essencial, o jovem vestia as cores da McLaren, a equipa com mais sucesso na F1, a seguir à Ferrari.

Só que o desporto tem um particular gosto em não seguir as expectativas dos entendidos e esse domínio que se esperava não se concretizou. Durante os anos seguintes, como piloto da McLaren, Hamilton viu-se incapaz de fazer uma verdadeira campanha de luta pelo título de campeão. Apesar de em 2010 e 2012 ter feito épocas de grande nível, a McLaren não teve ao melhor nível e nunca conseguiu competir de igual para igual com a Red Bull.

Em 2010, Hamilton ainda chegou à última corrida com possibilidades matemáticas de atingir o título, mas foi Sebastian Vettel que superou tudo e todos e bateu o então favorito Fernando Alonso, tornando-se no mais jovem campeão do Mundo de F1, destronando Hamilton.

Adivinhava-se uma mudança de paradigma. A F1 apostava agora numa nova superestrela em ascensão: Sebastian Vettel; ainda mais jovem do que Hamilton e na nova equipa sensação da F1. 2010 tinha sido o ano em que a McLaren e a Ferrari viram-se ultrapassadas pelo poderio aerodinâmico da Red Bull. Apesar de Hamilton e Alonso terem sido considerados, por muitos especialistas, como os melhores pilotos da temporada, o título caiu para Vettel, que começava agora um trajeto de enorme sucesso.

2011 foi mais uma época que provava o esmagador domínio da equipa austríaca, com Alonso e Hamilton a fazerem épocas abaixo do seu rendimento. Por sua vez, Vettel confirmava que o seu sucesso estava para durar, tornava-se bicampeão, igualando Alonso e superando-se a Hamilton.

2012 seria a altura ideal de ripostar. Ou assim poderiam pensar Hamilton e Alonso. Durante algum tempo, parecia que seria uma batalha entre o inglês e o espanhol, mas a combinação Vettel/Red Bull conseguiu voltar à sua forma e no final foram novamente campeões. Tricampeões.

Sebastian Vettel e Lewis Hamilton comprimentam-se no final do Grande Prémio de Singapura, em 2014. créditos: DIEGO AZUBEL/EPA

Para Hamilton era o “basta”. O inglês decidiu que estava na altura de mudar de ares e sair do “ninho” e apostar noutro projeto e decide mudar para a então não muito competitiva Mercedes, apostando tudo na mudança de regras de 2014.

2013 foi um ano de “mais do mesmo”, com Vettel e Red Bull campeões do Mundo, desta vez pela quarta vez consecutiva. Vettel chegava a um nível ímpar na F1, enquanto deixava cada vez mais para trás, Alonso e Hamilton.

Apesar de muitos reconhecerem Hamilton e especialmente Alonso como melhores pilotos, os resultados falavam por si e Vettel era, estatisticamente, melhor, mais bem-sucedido e um “new Schumacher in the making [um novo Schumacher em construção]”.

Por sua vez, Hamilton começava a ser o “novo Villeneuve”. E para muitos, começava a fazer sentido. Tal como o canadiano, Hamilton tinha chegado à Fórmula 1 através de uma equipa vencedora, ambos quase foram campeões no seu ano de estreia, conseguindo-o no ano seguinte. Apesar do meteórico início, não conseguiam replicar o sucesso inicial e ficaram-se por “one hit wonders”.

Já Alonso ficava-se pelos dois títulos consecutivos de 2005 e 2006, apesar de se poder gabar de ter sido o responsável por colocar um ponto final ao o monopólio de Schumacher.

Ou seja, se esta geração se tivesse ficado por 2013, a pintura seria de que Vettel foi superior aos seus pares e conquistou o mundo da F1. Só que o tempo não parou em 2013, nem a F1 para, nunca.

Chega 2014 e cedo se percebe que as coisas estavam prestes a mudar. Cedo se entende que naquele ano uma equipa iria dominar, a Mercedes. E quem estava finalmente no sítio certo para aproveitar o momento? Lewis Hamilton.

Era esta oportunidade que tanto precisava. Depois de assistir ao domínio de Vettel da F1, em carros bastante competitivos, era a vez do britânico ter um carro ganhador. Para vencer só tinha de garantir que a máquina seria campeã nas suas mãos e não nas mãos do colega de equipa, Nico Rosberg.

Foi isso que fez Lewis Hamilton. Num ano que foi bastante dividido entre os dois pilotos da Mercedes, levou a melhor com 11 vitórias. Só nessa época, conseguiu quase tantas vitórias quantas tinha conseguido nas últimas temporadas na McLaren (11 vs 12). Era o regresso de Hamilton ao topo, o regresso de um piloto que merecia mais do que ser “apenas” uma vez campeão do Mundo, um “novo Villeneuve”.

Chegado o segundo título da carreira, chegava a hora de Hamilton conquistar um lugar no Olimpo da F1 e chegar ao mítico terceiro título, o objetivo desde criança, quando sonhava emular o seu ídolo, Ayrton Senna. Foi isso que Hamilton fez em 2015, o ano de consagração.

Hamilton conseguia cimentar-se como um tricampeão, inclusive igualando o número de títulos do ainda idolatrado Ayrton Senna. Talvez por isso, tenha sido apanhado de surpresa em 2016. Depois de ter sido batido pelo colega de equipa, Rosberg mostrou em 2016 que também tinha fome suficiente para ser campeão do Mundo.

Esta nova mentalidade de Rosberg, com alguma sorte à mistura, Rosberg bateu Hamilton alcançou o título e reformou-se, com o sentimento de dever cumprido.

A derrota mexeu com Hamilton. 2016 tinha sido um golpe duro, talvez por isso o melhor ainda estivesse para vir. Em 2017 a Mercedes já não tinha o controlo e domínio absoluto. A Ferrari apareceu bastante forte nessa temporada, com Sebastian Vettel bastante motivado para voltar aos títulos, desta vez no rosso corsa.

Para Hamilton 2017 seria um ano decisivo. Vencendo, igualaria Vettel em número de campeonatos, já o alemão conseguiria devolver a Ferrari aos títulos, que iludem a Scuderia desde 2008, e provar que não conseguiu vencer apenas graças à Red Bull. Foi Hamilton quem levou a melhor mostrando que o ano anterior tinha sido um percalço, mas também exibindo-se em forma, fazendo uma época onde mostrou uma excelente capacidade de luta, velocidade e determinação, superiorizando-se a Vettel. E o melhor de tudo? Finalmente ver uma luta direta entre estes dois virtuosos em equipamentos equiparados. Não só Lewis Hamilton venceu o quarto título e igualou Vettel, como os fãs tiveram a sorte de ver estes dois campeões lutar em pista.

créditos: CLIVE MASON / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

Com toda esta batalha, deixando em pé de igualdade Hamilton e Vettel, mal se podia esperar por 2018. O novo ano dava uma certeza, muita luta e um novo pentacampeão de F1, algo que apenas Schumacher e Fangio tinham conseguido.

Só que 2018 foi mais parecido com 2017, especialmente com Hamilton a superiorizar-se à concorrência e a ele mesmo. Apesar de inicialmente Vettel e a Ferrari estarem muito competitivos, Hamilton fez uma temporada estupenda, conquistando 11 vitórias e mostrando uma competitividade sem paralelo.

Com mais uma época de sucesso, Hamilton ultrapassava Vettel em número de títulos, algo que não acontecia desde que o alemão se tinha tornado campeão pela primeira vez. Hamilton tem agora 73 vitórias, apenas atrás de Schumacher. 2018 também marcou a despedida de Alonso às corridas de F1 e com isso o fim deste triunvirato.

Se em 2013 o F1 acabasse, era fácil apontar Vettel como o mais bem-sucedido dos três, Alonso o mais talentoso, e Hamilton o candidato ao bronze. Mas o tempo não para e a F1 também não. Atualmente é fácil pensar que o britânico é claramente o mais rápido e talentoso destes três pilotos. Uma coisa é certa, Hamilton é claramente o piloto que pode sonhar com em ultrapassar as 91 vitórias e 7 títulos de Schumacher, algo que pode acontecer já nas duas próximas épocas.

A competitividade na F1 é bastante volátil, tal como a carreira de Hamilton, Vettel e Alonso podem mostrar. Pode-se concluir, no entanto, que Hamilton, é, para já, a figura de uma geração de ouro que entre si somam 11 títulos mundiais e 157 vitórias.

Mas o tempo não para e a F1 também não.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.