De acordo com os dados recolhidos este fim de semana pela emissora pública NHK, estes 3.5000 fizeram parte dos 40.000 voluntários que as autoridades municipais de todo o país recrutaram para servirem de guias durante a celebração do evento desportivo nas estações de comboios, aeroportos ou pontos de interesse e fornecer informações turísticas ou logísticas aos espetadores e visitantes.

À partida destes voluntários junta-se as saídas anunciadas no início deste mês de pelo menos 10.000 dos 80.000 voluntários recrutados pelos organizadores de Tóquio 2020 para realizar outras tarefas de apoio com atletas e espetadores em competições durante as Olimpíadas.

O número de demissões entre os voluntários dos municípios poderá ser maior, já que se aguardam os dados de Tóquio, que não forneceu informações sobre o assunto.

Entre as razões para as demissões estão a preocupação dos voluntários em serem infetados com o novo coronavírus durante a celebração do evento no meio da pandemia da covid-19, numa altura em que Tóquio e outras prefeituras permanecem em estado de emergência.

A redução dos voluntários é mais um obstáculo para a realização dos próximos Jogos de Tóquio, depois de terem sido adiados por um ano devido à pandemia, aos quais se acrescenta a logística para implementar as medidas anti-vírus e assegurar o pessoal de saúde necessário.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.