Não vou fazer-vos sofrer mais e terem que esperar pelo fim do artigo para dar a resposta à questão do título, num twist improvável. Aqui não há twist. A resposta é não. Claro que não. Um redondo não. Dončić continua a ser, de longe, o "rookie" com a melhor época. Porque estamos a falar da época toda e não apenas do final da temporada, após o fim-de-semana All-Star. Preparados para os argumentos?

Estatísticas básicas

Luka Dončić: 21.2 pontos, 42.7 FG%, 32.6 3P%, 7.7 ressaltos, 5.9 assistências, 1.0 roubos de bola, 3.4 turnovers

Trae Young: 19.1 pontos, 41.9 FG%, 32.6 3P%, 3.7 ressaltos, 8.0 asistências, 0.9 roubos de bola, 3.8 turnovers

Na comparação direta das estatísticas básicas dos dois jogadores, a vantagem do "Wonder Kid" é mais do que evidente. Marca mais pontos e com melhor eficácia de lançamento, conquista mais ressaltos e rouba mais bolas. Mesmo ao nível das assistências, ranking onde a vantagem é de Young, os seis passes para cesto por jogo do prodígio esloveno impressionam.

Estatísticas avançadas

Luka Dončić: 106.7 eficiência ofensiva, 109.9 eficiência defensiva, 49.7 EFG%, 54.5 TS%, 2.1 OWS, 2.7 DWS, 3.4 VORP, 14.7 PIE, 19.5 PER

Trae Young: 107.2 eficiência ofensiva, 113.6 eficiência defensiva, 48.2 EFG%, 53.9 TS%, 2.6 OWS, 0.7 DWS, 0.5 VORP, 11.9 PIE, 17.0 PER

Porque as estatísticas básicas nunca mostram tudo, olhemos então para as estatísticas avançadas. E aí, novo arraso do esloveno, com destaque para as OWS e DWS (Offensive e Defensive Win Shares), o VORP (Value Over Replacement Player), o PIE (Player Impact Estimate) e o PER (Player Efficiency Rating). Este último, uma espécie de rácio da produtividade de um determinado jogador, resulta de uma fórmula ajustada ao PACE da equipa e inclui o cálculo por minuto, o que torna a comparação entre jogadores mais justa.

Outros dados relevantes

Luka Dončić: 71 jogos, 23 duplos-duplos, 7 triplos-duplos, 31 vitórias e 47 derrotas

Trae Young: 80 jogos, 29 duplos-duplos, 1 triplo-duplo, 29 vitórias e 51 derrotas

Leram bem: sete triplos-duplos. Mais uma vez, vantagem Luka.

À vista desarmada

Sim, o "vosso" Trae Young está a jogar melhor depois da pausa All-Star. Mas isso só se nota porque, de facto, foi muito inconsistente nos primeiros dois terços da época. E o "rookie" dos Mavericks não caiu assim tanto. Perdeu números nos capítulos dos pontos e da eficiência, mas subiu ao nível dos ressaltos e das assistências, para além de ter somado, depois do All-Star, dez dos 23 duplos-duplos e quatro dos sete triplos-duplos. O esloveno não é um extraordinário defensor, mas aposto que não querem falar das capacidades defensivas de Trae Young, pois não?

Desde o início da época, o treinador Rick Carlisle deu a batuta da orquestra texana a Luka Dončić. Todo o ataque dos Mavericks passa pelo miúdo - tem a mais elevada "usage rate" de um "rookie" nos últimos 23 anos - e o miúdo nunca se escondeu. Sem hesitações, pede a bola para decidir nos minutos finais e, muitas vezes, assume os lançamentos decisivos. Quantos triplos após "step back" têm na vossa memória nesta primeira época de Dončić na NBA? Dezenas. E quantos momentos "clutch" recordam de Trae Young? Dois ou três, e só dos jogos mais recentes, porque, durante a primeira metade da época, era Jeremy Lin a fechar jogos em Atlanta, tal era a tendência do base "rookie" para cometer turnovers em momentos fulcrais dos jogos.

Dončić está a assinar uma das melhores épocas de um "rookie" da história da NBA. Pelo caminho, tornou-se o jogador mais novo de sempre a registar um triplo-duplo com 30 pontos, batendo um recorde que pertencia a LeBron James, e vai terminar a temporada com médias acima de 20 pontos, 7 ressaltos e 5 assistências, algo que só Oscar Robertson conseguiu... em 1960/61. Para além destes dados notáveis, também igualou Steph Curry com o terceiro melhor registo da história em triplos concretizados na época de estreia e ainda foi um dos jogadores mais votados pelos adeptos - conhecedores do jogo - para o All-Star Game.

Consistência e brilhantismo são as palavras que resumem a temporada de Dončić. E o ROY já podia estar, há muito, numa qualquer estante da casa do antigo jogador do Real Madrid. A prova disso é o facto de... Trae Young estar sistematicamente a reclamar para si o prémio de ROY. Tal como Donovan Mitchell reclamou para si o ROY do ano passado, quando era evidente que Ben Simmons era o claro favorito. Tal como LeBron James reclamou para si o título de GOAT, quando é evidente que esse epíteto nunca poderá ser de outro que não Michael Jordan.

As carreiras de Luka Dončić e Trae Young estarão ligadas para sempre, ou não tivessem sido trocados um pelo outro na noite do draft, e por isso as comparações serão inevitáveis. Não sabemos qual deles terá a melhor carreira na NBA, mas, pelo menos para já, não há quaisquer dúvidas sobre quem teve o melhor primeiro ano na liga norte-americana. Convencidos?

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.