Não há volta a dar à história do mercado de inverno de 2021: o grande negócio a reportar é o encerramento oficial do processo que dá como certa a chegada de João Paulo Dias Fernandes, vulgo Paulinho no mundo do futebol, ao Sporting CP. Os trâmites da transferência envolvem 16 milhões (acrescido de IVA) por 70% do passe do internacional português a pagar ao SC Braga, que recebe também mais dois jogadores. A blindar o novo seu contrato está um clausula de 60 milhões de euros.

Para Rúben Amorim, o arquiteto da equipa que lidera o campeonato, não há dúvidas. É simultaneamente o "melhor número 9 do país" e é "o avançado ideal" para a filosofia que quer ver implementada nos leões. Mas os elogios que surgiram em conferência de imprensa logo após a vitória diante do eterno rival da Segunda Circular e que cimentou a liderança na liga portuguesa não se ficaram por aqui. É que há um aspeto que o Paulinho tem e que é imprescindível para o treinador do Sporting: além de ter "uma ambição grande", tem a "plena noção que se não correr não joga". Há que dar o litro em campo, portanto.

Ora, se Paulinho chega a Alvalade, alguém teria sempre de fazer o percurso inverso até à Pedreira porque já se sabia que os Guerreiros do Minho não iriam abrir mão de um dos seus ativos mais importantes sem exigir nada em troca. Foi assim no verão e assim foi agora em janeiro. Tudo somado, vários milhões, trocas e adendas a pensar no futuro. Ou seja:

O Braga, além de receber o lateral colombiano Cristián Borja (que ainda assim vai custar três milhões, embora o clube frise que a "contratação só foi possível porque a Sporting CP SAD aceitou suportar a diferença salarial do jogador entre o seu contrato anterior e o contrato que celebrou com a SC Braga") vai também puder contar com o avançado Andraž Šporar, que segue por empréstimo até ao final da época, ficando com uma opção de compra de 7,5 milhões de euros. Durante este período de cedência, o Sporting fica também responsável por pagar os salários ao avançado esloveno e o Braga com 10% de uma futura venda.

Natural de Barcelos, Paulinho, de 28 anos, jogou quase sempre em clubes minhotos, exceção feita à temporada de 2012/13, quando alinhou no Trofense, emblema ao qual chegou depois de cumprir a formação e chegar aos seniores no Santa Maria. Depois, voltou a Barcelos, para jogar no Gil Vicente durante quatro temporadas, antes de rumar ao Sporting de Braga, no final da época 2016/17, tornando-se referência nos bracarenses, nos quais celebrou 63 golos, em 153 jogos.

Mais negócios — no Sporting e não só

O negócio mais importante foi o de Paulinho, mas não foi o único a ser consumado em Alvalade. Ao reino do leão chegaram ainda João Pereira (aos 36 anos regressa pela terceira vez aos leões, quiçá para pendurar as botas) e Matheus Reis, brasileiro esquerdino de 25 anos proveniente do Rio Ave. Sobre este último, Rúben Amorim explica que é um jogador "com muito andamento", futuro e que se "enquadra na ideia" do clube. Acrescenta que tem noção de que esteve "muito tempo sem jogar" mas irá trabalhar no sentido de o preparar da melhor maneira para ocupar a vaga deixada por Borja.

O Sporting, aliás, foi um clube ativo neste último dia de mercado, ao colocar Rafael Camacho no Rio Ave, Tiago Ilori no Lorient, Pedro Marques no Gil Vicente e Pedro Mendes no Nacional. Já no FC Porto a situação foi inversa: não se passou nada, sendo que a equipa de Sérgio Conceição nunca constou na documentação associada a 51 pedidos de inscrição de jogadores que a Liga recebeu no dia de encerramento do mercado de transferências em Portugal.

No Benfica, de salientar uma notícia mais do que esperada e um regresso que nem por isso. Isto é, na segunda atualização do dia, publicada às 19:00 no site da liga, os encarnados sinalizavam não só a aquisição do defesa Lucas Veríssimo (concluindo assim outra novela que já durava desde o verão, sendo que o brasileiro é esperado na Luz nos próximos dias) como também do defesa argentino Conti, que regressa após empréstimo aos mexicanos do Atlas. Todibo (cujo passe pertence ao Barcelona) seguiu para o Nice e Gedson Fernandes foi para o Galatasaray (continua emprestado, mas trocou um empréstimo por outro). Pelo meio, Facundo Ferreyra, que se desvinculou do Benfica há uns dias, assinou pelo Celta de Vigo.

Noutras contendas da I liga, Portimonense garantiu o médio francês Denis Poha e assegurou o médio internacional coreano Lee Seung-woo, formado no Barcelona e que jogava na Bélgica. Os algarvios informaram também que integraram no plantel o avançado Iury Castilho, que regressa de empréstimo ao Renofa Yamaguchi do Japão.

Rumando às ilhas, o Marítimo contratou o defesa cipriota Andreas Karo, ex-Salernitana de Itália, o atacante Sassá, ex-futebolista do Cruzeiro e, numa jogada que faz lembrar o Football Manager, o defesa espadaúdo de nacionalidade sueca Tim Söderström (Hammarby). Quanto ao Santa Clara, o emblema açoriano assegurou o avançado Rui Costa, que atuava no Deportivo, de Espanha, e conseguiu preencher a vaga deixada por Thiago Santana.

Continuando a viagem pelas regiões autónomas, chegamos à vez de olhar para o Nacional. A colocar como nova morada a rua dos Insulares está o médio Éber Bessa (regresso ao futebol português, representava o Botafogo no Brasil) e o empréstimo do avançado Pedro Mendes pelo Sporting. Naquela que parece ser a contratação mais curiosa dos madeirenses, está inscrição do avançado brasileiro Dudu, de 21 anos, produto da formação de emblemas como o Fluminense e a Ponte Preta, que dá o salto do Campeonato de Portugal (terceira divisão) diretamente para a primeira liga, com o saldo de sete golos em 11 jogos pelo Marinhense na bagagem.

Por terras minhotas, o Gil Vicente assegurou o regresso do lateral Paulinho, que representava os gregos do AEK e o avançado Pedro Marques, emprestado pelo Sporting. Já o Vitória SC (de Guimarães) renovou com os defesas Mamadou Tounkara e Sílvio, ao passo que o Famalicão contratou o médio Pêpê Rodrigues (o do Olympiacos, que fez formação no Benfica e não o possível reforço do FC Porto que atua no Grémio) e também médio Lucas Henrique. 

Diretamente para as contas da turma de Vila do Conde passam a contar o avançado Júnior Brandão (Atlético Goianense, do Brasil), sendo que o Rio Ave garantiu igualmente a cedência de Rafael Camacho (Sporting CP) e assegurou o lateral-esquerdo Sávio, que representava os brasileiros do Atlético Mineiro. Por fim, o Paços de Ferreira, equipa sensação da temporada 2020/2021, renovou com o médio ainda júnior Tomás Rosete.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.