“Quero apresentar as minhas desculpas aos adeptos do PAOK, e a todos os que gostam de futebol”, disse Savvidis em comunicado.

O presidente do clube de Salónica reconhece que não tinha o direito de invadir o terreno de jogo e afirma que a sua reação foi emocional.

Ivan Savvidis entrou em campo armado, já em tempo de descontos, depois de o árbitro ter anulado um golo que garantia o triunfo do PAOK e colocava a equipa na liderança da liga grega.

Savvidis admite que a sua reação se deveu “a situação de crise que se vive no futebol grego e garante que não pretendeu interferir com o trabalho dos árbitros nem ameaçou ninguém.

O dirigente considera que o futebol grego “está doente” e assegura que vai continuar a lutar por “um futebol justo para conseguir ganhar campeonatos em campo e não no tribunal”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.