Na queixa, apresentada num tribunal federal de Los Angeles, as atletas da seleção campeã do mundo reclamam as mesmas condições oferecidas à equipa masculina, tanto no que diz respeito a salários como à qualidade dos tratamentos médicos ou o transporte para os jogos.

De acordo com o jornal The New York Times, o lote de atletas, no qual se incluem algumas das principais figuras, como Carli Lloyd, Megan Rapinoe e Alex Morgan, pedem uma indemnização por danos, que pode atingir vários milhões de dólares.

As jogadoras dizem ser obrigadas a disputar mais jogos do que os atletas da seleção masculina e que, apesar de ganharem mais jogos, continuam a receber salários mais baixos do que os homens.

Em 2016, a Federação Norte-Americana de Futebol passou por um processo idêntico, quando cinco jogadoras também apresentaram uma queixa por discriminação salarial contra aquela entidade.

A queixa foi apresentada no dia em que se celebra o Dia Internacional da Mulher.

A seleção feminina dos Estados Unidos, que contabiliza três títulos mundiais, o último em 2015, está inserida no grupo F do Mundial 2019, juntamente com Suécia, Chile e Tailândia.

A prova vai decorrer em França, entre 7 de junho e 7 de julho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.