“As ações do GRU contra os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos são cínicas e imprudentes. Condenamo-las firmemente”, disse chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, que garantiu que Londres continuará a trabalhar com os seus aliados para “identificar e combater futuros ataques cibernéticos maliciosos”.

Segundo o ministério, agentes russos fizeram “reconhecimentos cibernéticos” a membros da organização de Tóquio2020, empresas de logística e patrocinadores do evento.

O British National Cybersecurity Centre (NCSC) assegura ainda que a Rússia instalou um software projetado para apagar dados e desativar computadores e redes de comunicação.

Os Jogos de Tóquio deveriam ter decorrido no verão passado, porém a pandemia do novo coronavírus, que afeta fortemente todos os países do mundo, motivou o seu adiamento por um ano, para o período entre 23 de julho e 08 de agosto de 2021.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido garante que estas ações do GRU são reincidentes, dando como exemplo ataques contra a organização dos Jogos de Inverno de PyeongChang, em 2018.

Neste caso, os serviços secretos russos tiveram como alvo estações de televisão coreanas, infraestruturas de esqui, organizadores e patrocinadores.

O Ministério britânico recorda que a justiça dos Estados Unidos apresentou acusações contra espiões russos do GRU neste e em outros casos, incluindo um ataque em 2018 contra um laboratório ligado ao Departamento de Defesa do Reino Unido.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.