“Hoje realizámos uma reunião extraordinária do Governo para tomar a decisão de declarar uma emergência no fornecimento de eletricidade”, disse aos jornalistas o primeiro-ministro albanês, Edi Rama, comparando a situação com a da pandemia da covid-19 por afetar todos os países, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

A declaração de emergência, imposta pela subida generalizada e vertiginosa do preço da eletricidade nos mercados internacionais, permite ao Governo intervir com instrumentos financeiros e administrativos para fazer face à situação, indicou Rama.

Adiantou que no sábado será precisada a ajuda a dar para proteger especialmente os mais vulneráveis, famílias pobres e pequenos negócios.

Rama disse que “os preços não voltarão ao nível atual” após a crise, que segundo especialistas atingirá o pico em meados do próximo ano.

Desde 2015, quando o preço da energia subiu pela última vez, o Governo albanês subsidia os consumidores necessitados com cerca de 26 milhões de euros anualmente.

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orban, atribuiu hoje o alto preço da energia às mudanças climáticas e às políticas ambientais da União Europeia.

“Os burocratas de Bruxelas decidiram que para proteger o meio ambiente se deve aumentar os preços da energia, seja carvão ou gás”, disse Orban à rádio pública Kossuth, adiantando que “o comissário (Frans) Timmermans [vice-presidente da Comissão Europeia e responsável pelo Pacto Verde] ameaça os europeus com preços altos”, sem precisar as acusações.

Orban sublinhou que “Bruxelas hoje é o problema e não a solução”, prometendo que “lutará” com a Polónia e a República Checa para mudar as políticas energéticas da UE.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.