“Esses direitos alfandegários, impostos unilateralmente sob o pretexto de que garantem a segurança nacional dos Estados Unidos, não respeitam nem as obrigações comerciais internacionais americanas nem as regras da OMC”, declarou a ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Chrystia Freeland.

Para além da União Europeia, o Governo norte-americano decidiu igualmente hoje não prolongar a isenção temporária concedida ao Canadá e ao México sobre a imposição de taxas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio importados para os Estados Unidos.

Em resposta, o Governo de Justin Trudeau decidiu impor direitos alfandegários à entrada de produtos norte-americanos por uma soma semelhante de 16,6 mil milhões de dólares canadianos (11 mil milhões de euros).

Para além das “medidas de represália”, Chrystia Freeland pediu à OMC para “efetuar conservações com os Estados Unidos relacionados com a imposição dos direitos alfandegários punitivos sobre as importações de aço e alumínio provenientes do Canadá”.

A ministra sublinhou ainda que o Canadá “vai trabalhar em estreita colaboração com a União Europeia, que também depositou na OMC uma queixa contra os Estados Unidos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.