Weidmann pediu hoje ao Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier, para deixar o cargo, que ocupa desde maio de 2011.

“Estou convencido de que mais de dez anos é uma boa medida de tempo para abrir outro capítulo para o Bundesbank, mas também para mim pessoalmente”, escreveu Weidmann numa carta aos trabalhadores do banco a quem agradeceu pelo que alcançaram juntos.

“O ambiente em que operamos mudou muito e as tarefas do Bundesbank cresceram. A crise financeira, a crise da dívida soberana e finalmente a da pandemia levaram a decisões políticas e monetárias que terão um efeito duradouro”, disse Weidmann.

Weidmann salientou também que nos últimos dez anos considerou importante que “a voz clara orientada para a estabilização do Bundesbank continuasse a ser claramente audível”.

O presidente demissionário agradeceu aos membros do Conselho do Banco Central Europeu (BCE), sob a liderança de Christine Lagarde, pelo “ambiente aberto e construtivo nas discussões por vezes difíceis dos últimos anos”.

Também sublinhou o papel estabilizador da política monetária durante a pandemia, bem como a modificação bem sucedida da estratégia do BCE.

Weidmann acredita que para o futuro será decisivo para o BCE “não só olhar unilateralmente para os riscos de deflação, mas também não perder de vista os perigos da inflação”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.