Três dias depois de a Assembleia da República ter “chumbado”, na quinta-feira, uma proposta do PCP, e de o PSD ter retirado a sua na votação final global do OE2020, Jerónimo de Sousa aproveitou um comício em Sacavém, Loures, distrito de Lisboa, para fazer o contra-ataque aos bloquistas, aconselhando-os a “retirar a lição” do que aconteceu.

“Não tivesse o BE aceitado credibilizar a encenação do PSD, acendendo à chantagem de aprovar as ditas medidas de compensação da receita para manter o excedente orçamental, e o PSD não teria tido sapatos para fazer o caminho que fez”, acusou o secretário-geral do PCP.

E sugeriu aos bloquistas que dirijam as críticas a outros, que não os comunistas, e retirem “a lição”: “Se o BE está hoje arrependido do papel que aceitou desempenhar nesta farsa do PSD, em vez de se atirar ao PCP, deve retirar a lição que se impõe e não voltar a alinhar nestas encenações.”

Logo na quinta-feira, o líder parlamentar dos comunistas, João Oliveira, acusou o PSD de ter “montado uma encenação” com a baixa do IVA para a eletricidade de uso doméstico “nos sapatos do Bloco de Esquerda” durante o debate do Orçamento, no parlamento, que ficou marcado por esta polémica em torno da baixa do IVA.

Os sociais-democratas propuseram a descida do IVA na eletricidade de uso doméstico, mas fizeram depender o seu avanço da aprovação de medidas de compensação, como a redução de despesas nos gabinetes ministeriais e entrada em vigor em outubro, mas acabou por retirar a proposta depois de serem “chumbadas”.

Na quinta-feira, no parlamento, o PSD prometeu, primeiro, votar a proposta de redução do valor do IVA, mas quando a medida foi a votos optou pela abstenção, dado que foi alterada a ordem de votação das propostas.

Hoje, no comício de Sacavém, Jerónimo de Sousa pediu às famílias portuguesas que, quando receberem a fatura da eletricidade, com o IVA a 23%, “se lembrem” de quem é a responsabilidade de o IVA não ter descido para 6% na eletricidade doméstica, "do PSD", que "nunca teve verdadeira intenção" de reduzir a taxa, "com o agradecimento do PS".

"Não foi desta vez, mas a luta continua até se conseguir a reposição do IVA da eletricidade", afirmou.

Ao longo de quase meia hora de discurso, Jerónimo de Sousa demorou-se a explicar aos militantes por que motivo o PCP se absteve no OE2020, marcado por “insuficiências e limitações".

Segundo Jerónimo de Sousa, os comunistas conseguiram vencer "resistências do PS" e foi "possível aprovar propostas que são avanços de inegável importância para a vida dos portugueses", em oito áreas, do aumento extraordinário das pensões de reforma de 10 euros, e não "um dois euros" que o Governo pretendia, à gratuidade das creches para 55 mil crianças ou ainda com "o compromisso de admissão de 2.500 efetivos" para as forças de segurança", PSP, GNR e SEF.

O secretário-geral dos comunistas admitiu que "muitas outras propostas e medidas, como a melhoria dos salários ou do investimento público" não ficaram no Orçamento do Estado deste ano e que vão "exigir luta" para não acabarem "sacrificadas no altar de um excedente orçamental, uma "errada opção" do PS, PSD e CDS.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.