“Decidi reduzir três zeros à moeda e tirar de circulação o cone monetário, para garantir ao povo da Venezuela as suas atividades comerciais e monetárias”, disse o chefe de Estado durante um ato transmitido pela televisão estatal venezuelana em que explicou que era necessário defender o bolívar venezuelano.

“Vamos a desmonetizar o atual cone monetário por um novo cone, o Bolívar Soberano. Não vamos dolarizar a nossa economia, vamos defender o nosso bolívar”, frisou.

Nicolás Maduro disse que vai criar o Bolíver Soberano, numa solução estrutural, profunda e definitiva, para dar estabilidade à economia do país e chamou os venezuelanos a usar contas digitais para efetuar pagamentos.

Esta é a segunda reconversão monetária nos últimos 10 anos na Venezuela, Em 2008, o falecido Presidente Hugo Chávez (presidiu o país entre 1999 e 2013) tirou três zeros à moeda e substituiu o tradicional bolívar pelo bolívar forte, moeda que depois passou a ser chamada apenas como bolívar.

Por outro lado, em finais de 2016, o Governo venezuelanos pôs em circulação seis novas notas, de 500, 1.000, 2.000. 5.000, 10.000 e 20.000 bolívares.

Em 2017 introduziu o bilhete de 100.000 bolívares.

Entretanto o canal estatal Venezuelana de Televisão divulgou imagens do novo “bolívar soberano”, que, segundo a imprensa local, estará composto por uma moeda de 50 centavos e uma de um bolívar, também pelas notas de 2, 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500 bolívares.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.