As estimativas da agência de notação financeira hoje divulgadas num relatório sobre Portugal revelam-se assim mais pessimistas do que as da Comissão Europeia, divulgadas este mês.

Bruxelas alinhou a sua previsão com a do Governo para este ano (1,8%), mas admite um abrandamento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 para os 1,6%.

O défice português, por sua vez, segundo a Moody’s deverá deteriorar-se para 2% do PIB em 2018.

A Moody’s sinaliza ainda o elevado nível de dívida pública, estimando que esta cairá gradualmente, ainda que se deva fixar em torno de 125% do PIB em 2020.

Este relatório não altera o ‘rating’ de Portugal, uma vez que a 05 de maio a agência optou por manter a notação do país em em Ba1, o primeiro nível da categoria de investimento especulativo, ou lixo.

O ‘outlook’, que classifica a perspetiva para a evolução da dívida, mantém-se "estável".

"O perfil de crédito de Portugal é compatível com a recuperação económica, o seu regresso ao mercado de capitais, a diversificação da economia e os níveis de riqueza média relativamente elevados”, refere o vice-presidente da Moody’s e co-autor do relatório, Evan Wohlmann.

As restrições do país dizem respeito “à sua dívida muito elevada”, uma das mais altas da União Europeia e a mais elevada dos países classificados pela Moody’s com Ba1.

Assim, apesar de esperarem que a dívida comece a baixar, os autores do relatório acreditam que qualquer redução será apenas gradual.

No documento, a Moody’s mantém a sua preocupação com o elevado nível de endividamento do setor privado, agravado pela fraqueza do setor bancário, “apesar de um número significativo de desenvolvimentos positivos ocorridos em 2017 que ajudaram a fortalecer a estabilidade do setor bancário”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.