“Não podemos pôr o carro à frente dos bois antes de sabermos exatamente aquilo que se vai passar a nível europeu, sabendo nós que Portugal tem uma dívida muito, muito elevada ainda é prematuro estar a começar a discutir rubrica a rubrica do Orçamento de Estado”, afirmou o chefe de Estado, durante uma visita ao Mercado Temporário do Bolhão, que abriu hoje ao público, no Porto.

Marcelo Rebelo de Sousa entendeu que, antes de se discutir a fixação do salário mínimo, é necessário “primeiro olhar” para aquilo que é a realidade de Portugal, como é que o mundo e a Europa vão evoluir e, para já, como é que os fundos europeus poderão ser no futuro”.

“E, depois, vamos discutir um bocadinho as finanças portuguesas”, declarou.

No 1.º de Maio, o líder da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, exigiu a fixação do salário mínimo em 650 euros em janeiro de 2019.

“Este movimento de reivindicações e luta é para continuar e ampliar pelo aumento dos salários de todos os trabalhadores, nos setores público e privado, mas também pelo aumento especial do salário mínimo nacional e, assim sendo, a Comissão Executiva e o Conselho Nacional anunciam hoje a reclamação de que, no dia 01 de janeiro de 2019, o salário mínimo nacional deve passar para 650 euros”, disse, na altura.

O salário mínimo nacional subiu este ano para os 580 euros e deverá aumentar em 2019 para os 600 euros.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.