De acordo com a estimativa rápida hoje divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Produto Interno Bruto (PIB), em termos homólogos, aumentou 2,1% em volume no primeiro trimestre de 2018 (2,4% no trimestre anterior) e, comparativamente com o quarto trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,4% em termos reais (0,7% no trimestre anterior).

Os analistas ouvidos pela Lusa estimavam que o PIB crescesse 0,6% em cadeia e 2,2% em termos homólogos.

De acordo com o INE, a procura externa líquida registou um contributo mais negativo, “resultado da desaceleração mais acentuada das exportações de bens e serviços” do que a registada nas importações de bens e serviços.

“O contributo positivo da procura interna estabilizou no primeiro trimestre, verificando-se uma ligeira desaceleração do consumo privado, enquanto o investimento apresentou um crescimento ligeiramente mais acentuado, determinado pelo comportamento da variação de existências, refletindo o efeito base do contributo negativo verificado no primeiro trimestre de 2017”, sinaliza o instituto.

No que diz respeito à variação em cadeia, o contributo da procura externa líquida foi negativo, após ter sido positivo no trimestre anterior, observando-se um aumento das importações de bens e serviços superior ao das exportações de bens e serviços.

O contributo positivo da procura interna aumentou no primeiro trimestre, resultado da aceleração da formação bruta de capital fixo e do consumo privado, acrescenta.

O Governo estima que a economia portuguesa cresça 2,3% em 2018. A Comissão Europeia e Banco de Portugal apresentam a mesma estimativa, já o FMI está ligeiramente mais otimista, ao prever um crescimento de 2,4%.

Em 2017, o PIB português cresceu 2,7%.

Crescimento da economia da zona euro e UE abranda no 1.º trimestre

O crescimento da economia da zona euro abrandou, em termos homólogos, no primeiro trimestre, para os 2,5%, e a da União Europeia (UE) para os 2,4%, segundo uma estimativa rápida hoje divulgada pelo Eurostat.

Face ao trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,4% quer na zona euro quer na UE, registando também um abrandamento.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, no quarto trimestre de 2017, o PIB da zona euro avançara 0,7% e o da UE 0,6% na variação em cadeia e 2,8% e 2,7%, respetivamente, na comparação homóloga.

A Letónia (5,2%), a Polónia (4,9%) e a República Checa (4,5%) foram os países cujos PIB mais subiram em termos homólogos, tendo a Dinamarca registado o único recuo (-0,8%).

Face ao trimestre anterior, a Letónia (1,7%), a Polónia (1,6%), a Hungria (1,2%) e a Finlândia (1,1%) foram as economias que mais cresceram, tendo as menores taxas sido assinaladas na Roménia (0,0%), no Reino Unido (0,1%) e na Dinamarca, Alemanha, França e Itália (0,3%).

(Notícia atualizada às 10h17)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.