Num contexto em que enfrenta a concorrência de outras plataformas, como o TikTok, e cortes orçamentais dos anunciantes devido à conjuntura económica, os resultados líquidos da gigante tecnológica passaram para 6.687 milhões de dólares no segundo trimestre do ano, contra 10.394 milhões de dólares em termos homólogos.

Já desde o início do ano, os lucros da empresa liderada por Mark Zuckerberg caíram de 29% face aos primeiros seis meses de 2021, para 14.152 milhões de dólares, enquanto as receitas subiram de 55.248 milhões de dólares para 56.729 milhões de dólares.

Os ganhos por ação no segundo trimestre foram de 2,46 dólares, contra os 2,54 dólares esperados pelos analistas consultados pela FactSet, que previam receitas de 28,91 mil milhões de dólares.

No primeiro semestre do ano, os investidores embolsaram 5,21 dólares por ação, contra 7,00 dólares em igual período de 2021.

Num comunicado partilhado no seu portal, a Meta, que além das plataformas sociais Facebook e Instagram, detém também as plataformas de troca de mensagens WhatsApp e Messenger e a Oculus, os responsáveis financeiros da empresa esperam que as receitas totais “estejam no intervalo dos 26 a 28,5 mil milhões de dólares” e que reflitam “a continuação da fraca procura de espaço publicitário”.

Sobre os anúncios nas suas plataformas, a Meta refere que as impressões por anúncio cresceram 15% em termos anuais e o preço por anúncio caiu 14% em relação há um ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.