"Foram criados todos os mecanismos necessários e, em nossa opinião, é necessário definir a tarefa de envolver a CSTO nas atividades de manutenção da paz da ONU", defendeu o líder do Cazaquistão, durante a cimeira da organização, realizada em Moscovo.

Yomart-Tokáyev sublinhou que, "no curto e médio prazo, a prioridade indiscutível reside no desenvolvimento do potencial das forças de paz da CSTO", indicando que "está a ser feito um trabalho ativo nesse sentido".

"Estamos a aperfeiçoar as forças de paz da CSTO. Estamos a estudar os planos para o seu abastecimento de armas e equipamentos modernos", acrescentou o líder do Cazaquistão, lembrando que, por iniciativa do seu país, a organização pós-soviética criou a figura do representante especial do secretário-geral para o desenvolvimento das forças de paz.

Para Yomar-Tokáyev, "este passo fortalecerá a legitimidade da CSTO, garantirá a possibilidade de participação da organização em operações internacionais de paz".

As forças de paz da CSTO integram atualmente cerca de 3.800 soldados.

A aliança - formada pela Rússia, Bielorrússia, Arménia, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão -- está a comemorar o 30º aniversário do acordo de Segurança Coletiva e o 20º aniversário da criação da organização.

RJP // PDF

Lusa/Fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.