Questionado por jornalistas durante uma visita a um laboratório científico em Hertfordshire, no norte de Londres, Johnson disse que é "muito importante" olhar-se "para as oportunidades de todos" (...) nos próximos meses terem duas vacinas. 

No entanto, vincou que a prioridade será proteger o país da entrada de novas variantes do coronavíus. 

"Este vai ser, aconteça o que acontecer, um ano difícil para viajar. Haverá problemas, haverá atrasos, porque a prioridade tem de ser manter o país seguro e impedir que o vírus volte", explicou.

A imprensa britânica tem noticiado, com base em fontes anónimas do Governo, que está a ser estudada a isenção de quarentena a pessoas com as duas doses de imunização contra a covid-19 que cheguem de países na "lista amarela", como Portugal. 

Segundo o Daily Telegraph, o Ministério dos Transportes vai propor isentar adultos vacinados e crianças não vacinadas do isolamento atualmente exigido a britânicos cheguem de destinos de férias populares como Espanha, Itália, França ou Grécia, facilitando férias em família. 

Os países na "lista amarela" estão sujeitos a restrições mais apertadas, nomeadamente quarentena de 10 dias à chegada a Inglaterra, e dois testes PCR, no segundo e oitavo dia. 

A "lista verde", atualmente limitada a 11 países e territórios, dispensa de quarentena e testes os viajantes que cheguem a território britânico, embora continuem obrigados a um teste PCR antes do embarque.

Portugal foi o único país da União Europeia (UE) que entrou para esta lista, em 17 de maio, mas foi removido menos de três semanas depois, a 06 de junho. 

A "lista vermelha" exige quarentena de 10 dias num hotel designado, além de dois testes PCR, sendo interdito viajar por motivos não essenciais para aqueles países.

Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte definem as suas próprias regras, mas têm o mesmo sistema de "semáforo" para viagens internacionais e têm acompanhado Inglaterra nas decisões.

A revisão da composição da "lista verde", feita a cada três semanas, acontece esta quinta-feira, mas vários ministros têm afastado a hipótese de ser alargada a curto prazo e a imprensa britânica sugere que as novas regras poderão só entrar em vigor no final de julho. 

Devido à rápida propagação da variante Delta, o Governo britânico decidiu na semana passada adiar para 19 de julho a quarta etapa do plano de desconfinamento que prevê eliminar a maioria das restrições, nomeadamente em termos de grandes eventos e capacidade de espaços fechados. 

O Governo britânico espera que até àquela data todos os adultos tenham recebido pelo menos uma das doses, a vacinação sido alargada a todos os maiores de 18 anos na semana passada. 

Desde dezembro foram inoculadas mais de 43 mil pessoas com uma primeira dose de uma vacina contra a covid-19, o que corresponde a 82% da população adulta, e 31.500 pessoas, ou 60% da população adulta, já receberam também a segunda dose.

 

BM // EL

Lusa/fim 

 

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.