"A Ciência é uma verdadeira arma contra as notícias falsas e a melhor garantia de vitória sobre o populismo e as atitudes negacionistas da verdade", afirmou António Costa numa mensagem em vídeo dirigida à abertura do encontro Ciência '20.

O conhecimento científico aproveita também aos decisores políticos, referiu, para quem "em nenhum momento da História foi tão necessário o conhecimento científico", porque têm que tomar decisões "quase em tempo real", a par do que a Ciência descobre sobre a pandemia da covid-19.

Embora as respostas científicas possam não ser imediatas, a exigência dos cidadãos por decisões bem fundamentadas é imediata, reconheceu.

"Graças à Ciência, vamos conseguir vencer seguramente esta crise. A Ciência vai conseguir encontrar um tratamento eficaz ou uma vacina que assegure a imunização. Vai conseguir descobrir as causas deste vírus e prevenir no futuro novas pandemias como esta", declarou.

Referiu que o conhecimento científico será "motor fundamental" para a recuperação económica de Portugal na crise provocada pela pandemia, embora o impacto da covid-19 obrigue a adotar "um compasso diferente".

Hoje, "quase 44 por cento do Produto Interno Bruto é com exportações e isso deve-se ao facto de hoje termos mais produtos e mais serviços que incorporam conhecimento científico", afirmou, acrescentando que para chegar a 50% em meados desta década será preciso que isso se aplique a "cada vez mais produtos e serviços" para "alterar o perfil" da economia nacional.

Costa congratulou-se com o facto de este ano se terem batido "todos os recordes de novos alunos a entrarem para o ensino superior".

"As famílias portuguesas, não obstante a angústia do momento que vivem e da incerteza no futuro, sabem que é investindo na educação dos seus filhos que poderão assegurar um futuro melhor e contribuir para que possam ter mais e melhor emprego", afirmou.

A comissária europeia da Coesão, Elisa Ferreira, afirmou que os 13 mil milhões de euros de fundos europeus para recuperação económica de Portugal na crise pós-covid são um "impulso brutal" para reformas no país e salientou que a negociação do plano de recuperação e resiliência português com Bruxelas ainda não está fechada.

É uma oportunidade, destacou, para as novas gerações receberem "um planeta mais saudável e mais limpo".

APN // ZO

Lusa/fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.