A saber, e para começo de conversa: o Instituto Nacional de Estatística veio anunciar, com optimismo, que a emigração baixou 18,5% em 2015. É certo que o número dos que sairiam, entre emigrantes temporários e de longa duração, se manteve assustadoramente acima dos 100 mil, como também é certo que regressaram mais portugueses à pátria. Mas lá vem a cena da galinha: no saldo final, o défice continua acima dos 10 mil cidadãos a mais fora de portas, já descontados os regressos.

Confesso: estes números não me dizem nada, nem consigo, como os “especialistas”, ver-lhes sinais de um presumível “capital de esperança” que anima os meus concidadãos e os leva a acreditar que dez euros a mais numa pensão miserável é um bom argumento para apostar em Portugal. Pelo contrário: no mesmo dia em que estas notícias eram divulgadas, uma infeliz coincidência levou-me a passar o dia no concelho de Odemira, entre São Teotónio, Brejão e Almograve. Apesar de ser feriado, havia muita gente a trabalhar nas estufas que inundam toda aquela costa alentejana. E deu-se este fenómeno extraordinário: o maior número de portugueses que vi juntos eram os que saíam da missa do meio-dia…

No resto, entre supermercados e cafés, nas ruas, nas praças, entrando e saindo de camionetas, vi magotes de trabalhadores da Índia, do Nepal, do Bangladesh. A população envelhecida do Alentejo não aguenta a dureza do trabalho, e os mais novos fugiram para novas paragens. O exemplo é empírico e fruto de mera observação - mas não demonstra qualquer “capital de esperança”, como não deixo de ouvir os filhos dos meus amigos, quase todos na casa dos 20 anos, darem como certo o abandono do país à procura de melhor trabalho, mais bem remunerado, longe daqui.

Vá, para um final feliz: gosto de saber que os portugueses casam mais, e divorciam-se menos. Para este dado, o casamento homossexual terá dado o seu relevante contributo - mas a ver por estudos semelhantes feitos aqui no país vizinhos, a descida dos divórcios deve-se mais à crise - ou seja, à falta de dinheiro para assumir uma vida a solo… - do que ao amor eterno. Só espero que o aumento dos casamentos, apesar de tudo, seja por amor - e não apenas por interesse na partilha das despesas. E das galinhas.

Faltam dois meses para o ano acabar, mesmo assim…

Começam a sair os tops dos melhores produtos, discos, livros, e agora, claro, ”apps”, a mais recente entrada no mundo do “melhor” e do “pior”. A revista norte-americana Time já decidiu quais são as 50 melhores aplicações do ano. A lista está disponível

Ainda no mundo dos tops e dos recordes: se acha que a geração “millennials” é pura e dura no consumo das bebidas mais clássicas dos seus pais e avós, deixe-se surpreender: o café faz parte do top dos consumos, como se pode ler aqui.

Não faltava mais nada: ir ver como os admiradores de Harry Potter e dos seus principais personagens encaram a eleição norte-americana de dia 8 de Novembro… Faltava? Já não falta…

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.