A história é quase comovente. Telmo Ramalho não tinha imaginado ser actor. Natural de Figueira de Castelo Rodrigo (não precisa de ir ao mapa, é no distrito da Guarda), Telmo Ramalho viu a sua vida transformada por uma cassete (uma espécie de CD mas um pouco mais primitivo, ver referências na internet, por favor) que o pai comprou numa estação de serviço. A cassete trazia os monólogos de Raul Solnado. Não o entusiasmou à primeira, precisou de um pouco de tempo, e depois rendeu-se ao poder quase hipnotizante de Solnado, a sua capacidade única de dizer um texto.

Vou contar-lhes a história da minha ida à Guerra de 1908.
Eu trabalhava numa fábrica de produtos farmacêuticos, e, um dia sem querer, parti um comprimido e despediram-me. Fui então lá para casa sentar-me numa cadeira que nós lá temos para quando somos despedidos. Estava-me a baloiçar, quando entrou o meu tio Gustavo com o jornal que trazia o anúncio da guerra.
Precisa-se de Soldado que mate depressa!
E diz a minha tia:
Porque é que tu não respondes a esse anúncio?
E diz a minha mãe:
Isso, isso o que era preciso era comprar-lhe um cavalo!
e diz a minha tia:
Mas eles na guerra dão cavalos.

A vida de Telmo Ramalho prosseguiu, com um novo morador no coração, mas sem grandes vontades de palco ou de representação. Estudou turismo e animação turística, foi para o Porto e, em 2002, ingressou no Corpo de Vigilantes da Natureza. Estava nisto de ver a Natureza, de prevenir fogos e mirar animais selvagens quando, em janeiro de 2007, participa no concurso televisivo Aqui Há Talento na RTP1. Não ganhou o concurso, já se sabe, mas acabou por conhecer o mestre. E o bicho ficou cada vez maior dentro de si que isto de ser actor não é um dado conquistado tão somente, é uma coisa que nasce dentro das pessoas. Decide estudar, fazer um curso de teatro e descobre que Raul Solnado dá aulas.

Fomos para casa, e a minha mãe preparou me umas papas de sarrabulho para o caminho, tomei um táxi e fui para a guerra. Cheguei à guerra eram sete horas da manhã, estava ainda fechada. Estava também uma mulherzinha a vender castanhas à porta da guerra e eu perguntei:
“Minha senhora, faz favor? Diga-me, aqui é a guerra de 1908?”
E a senhora disse-me:
Não! É mais acima! Aqui é a guerra de 1906.
Repliquei um
Muito obrigado.
Subi dois anos. Cheguei lá cima, e estavam já a abrir as portas onduladas da guerra, eram já nove e tal, e o sentinela perguntou-me se eu vinha ao anúncio, e eu, disse que sim, e perguntou ele:
E matas depressa?
E eu disse,
Por enquanto ainda mato assim-assim… preciso de treino.”
Respondeu-me:
Então, anda ao capitão.
Fomos ao capitão, e o capitão perguntou-me se eu trazia a espingarda ao que eu disse:
Não, pensei que a ferramenta davam cá vocês. O que eu trago é uma bala, que um vizinho meu guardou como recordação da guerra dos cem anos.
E diz o tenente:
Como é que você mata só com uma bala?
E eu expliquei:
Disparo a espingarda, e depois, vou lá a correr buscar a bala.

Telmo Ramalho aprendeu muito com Raul Solnado, ouviu-o atentamente, entendeu as críticas, as sugestões e, fascinado pelo grande actor, sempre quis fazer a sua homenagem, encarnar Raul Solnado, dizer os seus textos mais acarinhados e reconhecidos pelo público. E é isso que acontece no palco do Auditório dos Oceanos em Lisboa até ao fim deste mês. Depois, se o resto do país perceber este tesouro que temos em palco, talvez o espectáculo chegue a outras paragens.

Aqui o humor é único, com sub-texto, sem nada de brejeiro. O actor segue o mestre e está lá tudo, os tiques, as mãos a dançar, as pausas típicas de Solnado e uma história para contar que é, afinal, a história de todos nós com o actor que nos deixou fará, para o ano, uma década. Há uma década que não rimos com Solnado, apesar disso temos incorporado algumas das suas saídas, algumas partes do que disse em palco, pequenas tiradas que importámos para a nossa vida.

Fui ver o espectáculo com a minha mãe. Há muito que não a ouvia rir tanto. Voltou atrás no tempo e antes do Telmo Ramalho dizer o texto, em surdina, com imenso gozo, a minha mãe completava-lhe as frases.

Bem, fizeram uma conferência e deram-me seis balas, mandaram-me depois matar. Estava então eu, a matar, muito quentinho, quando veio o capitão e mandou-me ir vestir de espia. Deram-me um vestido de orgândicos com uns laços cor-de-rosa na cabeça e mandaram-me de espia. Cheguei à guerra do inimigo, bati à porta e o sentinela espreitou pela frincha e perguntou:
Quem é?
E eu:
Sou a Maria Albertina, malandrice!
Ele disse:
O que é que queres?
E eu disse:
Eu venho cá buscar os planos da pólvora.
E ele disse:
Trabalhas de espia há muito tempo?
E eu disse:
Trabalho desde as 11!

Há nove anos que não rimos desta forma, que não somos tocado pela magia de Raul Solnado. Obrigada Telmo Ramalho por nos devolveres um bocadinho do Raul.
* As partes reproduzidas pertencem ao sketch "A minha ida à Guerra de 1908", passou na censura e subiu ao palco em 1961 integrado na revista "Bate o Pé", em cena do Teatro Maria Vitória.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.