Sendo Dia de Finados, refleti um pouco (vá, pensei uns minutos no assunto) sobre as mortes que mais me marcaram no cinema, fazendo esta lista sem ordem. Como tal, não é um compêndio definitivo de grandes mortes mas sim algumas que me ficaram para sempre na memória.

Escusado será dizer que falar de mortes em filmes implica, naturalmente, spoilers, pelo que recomendo que prossigam com precaução e não me enviem ameaças de morte por vos ter estragado um filme com duas décadas.

Raiders of the Lost Ark (1981)

Quem – Montes de Nazis

Como – Com as suas caras derretidas pelo incrível poder da Arca Perdida. Mal sabiam eles que (se calhar) bastava terem fechado os olhos para, tal como o próprio Indy, se safarem.

Porquê o impacto – A mistura do visual dos rostos de nazis a derreterem até ao esqueleto e uma lição importante sobre as consequências da ganância humana.

Indiana Jones and the Temple of Doom (1984)

Quem – Um pobre fulano sem nome

Como – Com o coração arrancado à mão através do peito, seguindo-se um mergulho em banho de lava.

Porquê o impacto – Reler frase anterior.

Armageddon (1998)

Quem – Bruce Willis (!)

Como – Sacrificando-se pela humanidade e detonando uma bomba nuclear no meteorito, que por razões narrativas altamente convenientes estava com problemas e tinha que ser acionada manualmente.

Porquê o impacto – Podíamos ter aqui uma discussão sobre se o Armageddon é um dos nove melhores filmes de sempre (não é, mas podíamos ter essa discussão), mas a combinação do sacrifício épico, salvando-se o Ben Affleck e a Liv Taylor e a música dos Aerosmith fazem desta uma das grandes mortes da história do cinema.

Rocky 4 (1985)

Quem – Apollo Creed

Como – No ringue, num combate amigável, às mãos do infame Ivan Drago

Porquê o impacto – Após três filmes em que acompanhamos a transição de feroz rival para BFF de Rocky, a morte de Apollo (que até podia ter sido evitada se Rocky tivesse atirado a toalha) foi um rude golpe no espectador. Junta-se a isto a clássica citação de Drago perante o estado crítico de Apollo - “if he dies, he dies”. Perdemos um amigo, ganhámos um grande filme. Pronto, um filme muito fixe.

Marley & Me (2008)

Quem – O CÃO

Como – E INTERESSA? FOI O CÃO, CARAMBA!

Porquê o impacto – COMO “PORQUÊ O IMPACTO”?!  MATARAM O CÃO!  Agora a sério, porque é que os produtores fariam uma coisa destas a quem pagou bilhete para ver o vosso maldito filme?

American History X (1998)

Quem – Um ladrão de carros.

Como – Provavelmente da maneira mais violenta da história do cinema – a personagem de Edward Norton obriga o ladrão ferido a colocar a boca aberta na borda do passeio, pisando-o depois violentamente e esmagando cara e pescoço no processo.

Porquê o impacto – Se calhar escuso de responder a isto, digo só que é uma cena marcante num grande filme igualmente marcante. Quem não tiver pesadelos com esta cena provavelmente não é humano.

Seven (1995)

Quem – A personagem da Gwyneth Paltrow, mulher do Brad Pitt

Como – Mais do que o “como” da morte, importa o “como” da notícia da mesma, com a sua cabeça decepada entregue numa embalagem de correio ao marido.

Porquê o impacto – Bom, se uma cabeça embalada e entregue ao destinatário não chegasse, é um dos melhores twists de sempre no cinema. (O filme tem mais de vinte anos, se ainda não viram não sei o que vos diga)

Em Busca do Vale Encantado (1988)

Quem – A mãe de Littlefoot, o dinossauro/personagem principal

Como – Com terramotos e sabe-se lá o que mais a darem cabo da Terra, a pobre mãe do pequeno dinossauro acaba esmagada.

Porquê o impacto – Apesar deste top 10 não ter uma ordem, este é definitivamente o número um, por uma razão relativamente simples – MATARAM A MÃE DA CRIANÇA. Devia ter uns cinco anos quando vi este filme pela primeira vez e mais de um quarto século depois, não estou, nem de perto, recuperado do choque. “Como assim, a mãe morreu?! Mas as mães podem morrer?!”

Bambi (1942)

Quem – A mãe do Bambi.

Como – Com um tiro de um caçador.

Porquê o impacto – Pelas mesmas exactas razões do filme anterior – que raio de gente é esta que se mete a matar mães em filmes de animação?

O Rei Leão (1994)

Quem – Mufasa, pai do pequeno Simba.

Como – Esmagado por uma manada de gnus (talvez a única participação relevante de gnus na história do cinema), causada pelo seu irmão Scar.

Porquê o impacto – Voltamos ao mesmo – a suposta atenuante da morte ser de um desenho animado é infinitamente agravado por ser o pai da personagem principal. No entanto, depois de ter visto o "Bambi" e "Em Busca do Vale Encantado", já estava um pouco mais preparado para este Game of Thrones que é a vida, onde está tudo em jogo e ninguém está seguro.

Menções honrosas

Indiana Jones – Raiders of the Lost Ark (O fulano mutilado pela hélice do avião); Indiana Jones – The Last Crusade (o fulano que bebe do cálice errado); Rocky 3 (Mickey, o treinador); Titanic (o raio da personagem do DiCaprio, que tinha mais que espaço); Pulp Fiction (Vincent Vega, na casa de banho); Cliffhanger (a miúda que cai do precipício no filme do Stallone nas montanhas); Die Hard (o vilão Hans Grubber a cair de um arranha-céus); Robocop (o herói Peter Murphy a ser baleado antes de se tornar o robot-polícia mais famoso do cinema); Star Wars (Obi Wan); Star Wars – Return of the Jedi (Yoda).

Pedro Silva. Nascido em São Paulo e criado em Lisboa, formou-se em Ciências da Comunicação, com especialização em Cinema e Televisão, na Universidade Nova. Trabalhou no pequeno ecrã e fez stand up comedy, considerando-se hoje jogador semi-profissional de póquer. É palerma a tempo inteiro, evidenciado pelo facto de estar a escrever sobre si próprio na terceira pessoa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.