O lançamento desta nova geração de satélites meteorológicos que pretende melhorar substancialmente a qualidade das previsões, descolou às 00:47 (hora de Lisboa).

O MetOp-C vai juntar-se assim aos seus dois predecessores, o MetOp-A (lançado em 2006) e o MetOp-B (2012).

O funcionamento destes satélites é gerido pela Organização Europeia para a Exploração dos Satélites Meteorológicos (Eumetsat), que fará o processamento e a distribuição dos dados a serem usados nas previsões do estado do tempo.

O prazo de vida útil de cada MetOp era esperado ser de cerca de cinco anos e estava planeado serem substituídos, mas os dois primeiros satélites continuam a funcionar sem problemas muito além das previsões, sendo que as operações dos três satélites continuarão a ser mantidas em paralelo.

“O lançamento sequencial de satélites garante observações contínuas de uma série de variáveis atmosféricas como temperatura, humidade, gases traços, ozono e velocidade do vento sobre o oceano”, dados usados para “previsões numéricas”, explicou a ESA em comunicado.

O MetOp-A e o MetOp-B permitiram reduzir em 27% o erro nas previsões meteorológicas diárias, segundo estudos citados pela ESA.

Portugal faz parte da Eumetsat através do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.