O ministro das Comunicações, Peter Agovaka, que apresentou a proposta de banir temporariamente o Facebook junto com Sogavare, declarou ao Solomon Times que a medida responde a “linguagem abusiva contra ministros e o primeiro-ministro”, bem como ameaças e possíveis problemas de difamação.

Apesar do bloqueio do Facebook, que tem cerca de 120 mil utilizadores nas Ilhas Salomão, a maioria jovens, o ministro da Comunicação garantiu aos ‘media’ que respeitará a liberdade de imprensa e permitirá que operem normalmente.

O Governo de Sogavare foi recentemente criticado pela oposição por não revelar os destinatários dos fundos de estímulo económico, por suspeitar que tenham recebido favores políticos, ou a relação do Executivo com a China, entre outros assuntos.

As Ilhas Salomão, que não possuem legislação para regular as redes sociais ou crimes cibernéticos, é mais um na lista de países que determinaram a censura parcial ou total do Facebook, como a China, Coreia do Norte, Síria e Irão.

Este arquipélago do Pacífico, independente do Reino Unido desde 1978, tem uma população de mais de 650.000 habitantes.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.