A primeira manobra começará com uma última aproximação a Titã, uma das luas de Saturno, a 22 de abril.

Dotada de 12 instrumentos científicos, a sonda vai efetuar, a 26 de abril, a primeira descida ao espaço inexplorado de 2.400 quilómetros que separa o planeta dos seus anéis.

“Nenhuma sonda se aventurou nesta região única que vamos tentar atravessar 22 vezes”, explicou, citado pela agência AFP, o adjunto da direção das missões científicas da NASA, Thomas Zurbuchen.

Segundo o investigador, a informação recolhida a partir das últimas trajetórias da Cassini poderá permitir uma melhor compreensão da formação e da evolução dos planetas gigantes e dos sistemas planetários em geral.

Importantes descobertas fora feitas graças à sonda, como a da existência de um vasto oceano sob a superfície gelada da lua Encélado e de mares de metano líquido em Titã.

A NASA vai ter que decidir qual a melhor maneira de terminar a missão a Saturno, uma vez que a Cassini já não tem muito combustível.

“A Cassini vai fazer algumas das suas observações mais extraordinárias no final da sua longa vida”, vaticinou a coordenadora da missão científica no Jet Propulsion Laboratory da NASA, Linda Spilker.

A equipa espera obter dados sobre a estrutura interna de Saturno e a origem dos seus anéis, assim como imagens sem precedentes das neblinas saturnianas.

Quando entrar na atmosfera do planeta, a sonda continuará a transmitir informação a partir de muitos dos seus instrumentos, nomeadamente sobre a composição da atmosfera, até à perda do seu sinal.

Lançada no espaço há cerca de 20 anos, a sonda deve o seu nome ao astrónomo italiano Giovanni Cassini (1625-1712), que descobriu quatro luas de Saturno e observou a divisão de anéis do planeta.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.