A denominada missão Transporter-1, a partir de Cabo Canaveral, deu hoje início ao programa de redução de custos SmallSat Rideshare, segundo o qual um pequeno satélite de uma empresa pode viajar até ao espaço em outras naves espaciais em vez de comprar um foguete completo a um preço muito mais elevado.

O preço por enviar 200 quilos de carga para uma órbita heliossíncrona é de um milhão de dólares (cerca de 821 mil euros, à taxa de câmbio atual).

Depois da tentativa fracassada no sábado, devido a más condições meteorológicas, a SpaceX lançou hoje com êxito o foguete Falcon 9 com 133 satélites pequenos, entre eles um contentor cheio de restos humanos cremados da Celestis, e 10 mais do programa Starlink Internet da empresa.

O recorde anterior foi registado há quatro anos, com o foguete PSLV da Índia, com 104 satélites.

A missão Transporter-1 acontece a quatro dias depois do lançamento de mais 60 satélites da rede Starlink da SpaceX, com os quais a empresa pretende fornecer Internet de alta velocidade em qualquer parte do mundo.

O objetivo da SpaceX é colocar 1.584 satélites na órbita terrestre a 549 quilómetros acima da Terra, uma distância menor que a habitual para estes dispositivos comerciais.

A SpaceX foi fundada em 2002 pelo empresário Elon Musk, presidente executivo da Tesla.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.