Já estamos no Instagram! Segue-nos em @vaisgostardisto, página que vamos utilizar para acompanhar o dia-a-dia do mundo na cultura pop. Para receberes as nossas sugestões diretamente no teu e-mail, podes subscrever a nossa newsletter aqui.


Não subestimem as séries de secundário

Se eu te pedir para me descreveres o típico enredo de adolescentes americanos, passado numa escola secundária de Nova Iorque, certamente sabes descrever algumas das personagens cliché. Tens o rapaz desportista, que é o maior da escola e que tem todas as miúdas que quiser; a miúda tímida, em quem ninguém parece reparar; e, como não podia faltar, a rainha do liceu, a rapariga que é um misto de confiança e provocação, que desperta desejo e inveja naqueles que a rodeiam.

No Grand Army, o liceu que dá nome à série de que te vou falar, a miúda mais popular chama-se Joey Del Marco, luta pela liderança do grupo de dança da escola e faz por ser sempre o centro das atenções. Com centenas de alunos de olhos postos em tudo o que faz, o feitiço vira-se contra a feiticeira quando, depois de ser violada pelos seus melhores amigos, dois dos rapazes mais desejados da escola, todos lhe apontam o dedo. Dizem que a culpa foi dela, que é uma oferecida e estava mesmo a pedi-las. Aquela que foi, em dias, a luz de toda a escola entra agora numa depressão profunda enquanto tenta lutar contra a falta de memória do que aconteceu naquela noite.

Mas Joey não é a única que vive dias difíceis. Dom é uma rapariga negra que tem o sonho de ir longe na sua vida académica, mas cuja família vive tempos de grande dificuldade e depende da sua ajuda. Sid, o atleta promissor, está a descobrir a sua orientação sexual depois de crescer no seio da sua família conservadora indiana. Leila, uma rapariga com ascendência chinesa, adotada por americanos, sente-se fora do seu ambiente e faz tudo para conseguir encaixar no meio dos restantes estudantes, e acaba por utilizar o sexo como forma de agradar um dos rapazes mais conhecidos da escola (que esteve envolvido na violação a Joey). E, por último, Jayson, um prodígio do saxofone, que por causa de uma brincadeira, vê o seu futuro comprometido depois de ser acusado de roubo.

Estes são apenas alguns dos nomes em destaque na série. Todos eles têm os seus demónios e tentam escolher as melhores formas de os combater, mas nem sempre as coisas correm bem. É em “Grand Army”, disponível na Netflix, que vamos viver a vida destes adolescentes como se da nossa se tratasse.

  • Um alter-ego badassAinda que faça o papel de miúda tímida, Leila tem vários segmentos na série em forma animada, em que encarna o seu alter-ego empoderado. Num dos meus favoritos, a rapariga imagina que está no quarto com o rapaz dos seus sonhos no meio de um apocalipse zombie e dá-nos a frase icónica “Despacha-te e come o meu clitóris, antes que eu os deixe matar-te”.
  • Também se fala de temas importantes: Para além de, no segundo episódio, Joey começar uma revolução feminista em toda a escola, ao longo dos restantes episódios, questões como o racismo, a homossexualidade e a falta de consentimento são temas recorrentes.
Grand Army Grand Army
créditos: Rodrigo Mendes / MadreMedia

Digno da imaginação de Agatha Christie

A próxima sugestão é baseada num caso real e vem agradar quem gosta de desvendar um bom mistério. Decorria o ano de 2002 quando a Argentina assistiu a uma das maiores polémicas do país, que envolvia uma conhecida família da classe alta: os García Belsunce. Quando a socióloga María Marta, conhecida por, entre outras coisas, aparecer algumas vezes no programa de televisão do irmão, foi encontrada morta pelo marido na sua casa de família, numa comunidade fechada e elitista, todos acharam que se tratava de um acidente doméstico.

O óbito foi declarado, o funeral realizado pouco tempo depois e só quando surgiram algumas conversas que não batiam certo, é que alguém se lembrou de abrir uma investigação. Acontece que María Marta teve, segundo as burocracias necessárias a este processo, várias causas de morte diferentes. Entre um traumatismo causado por uma pancada acidental no banho e um ataque cardíaco, acabou por se descobrir, mais tarde, que a vítima afinal tinha sido baleada 5 vezes na cabeça, um “pequeno detalhe” que demorou algum tempo a ser detetado.

Ora, com a hipótese de acidente doméstico posta de parte, chegou a hora de falar sobre suspeitos. Terá sido o vizinho, de quem ninguém no bairro gostava? Um desconhecido que assaltava a casa e apanhou María Marta por acaso? Ou será que foi um plano pensado por membros da sua família, aparentemente feliz?

Para ajudar ainda mais ao mistério, a comunidade onde María Marta e o marido, Carlos, moravam, que supostamente era segura, fechada e vigiada, em muito pouco consegue ajudar na investigação. As poucas provas que existiam foram convenientemente deitadas fora e pouco a pouco todos os álibis começam se tornam inválidos. Aqui todos são suspeitos e a pergunta ainda hoje está por responder. “Quem Matou María Marta?” é a série documental da Netflix que nos conta toda a história e que nos inquieta com os testemunhos de quem é suspeito mas que ainda agora, 18 anos depois, está incansavelmente  à procura de respostas.

  • Arma-te em detetive: Como te disse, ainda hoje não se sabe o que aconteceu mas, depois de veres a série, de certeza que vais ter alguma versão do sucedido. Aproveita e dá uma vista de olhos neste artigo da GQ México, que reuniu as teorias mais conhecidas sobre o assassinato.
  • Uma rapidinha:A série documental da Netflix tem apenas 4 episódios de cerca de uma hora cada, o tempo ideal para que possas ver tudo de seguida. Antes de começares, espreita o trailer para perceber um bocadinho melhor o caso de que te estou a falar.

O fim do mundo nas mãos de um rapaz de 11 anos

Todos nós, de uma forma ou de outra, já ouvimos diferentes versões sobre como e quando começou e vai acabar o mundo. E se eu te disser que há uma história que consegue ser muito parecida a todas as que já ouviste e, simultaneamente, completamente diferente? Calma, eu passo a explicar. Está tudo na série “Good Omens”.

Nos primeiros minutos, descobrimos que muitas das coisas que nos foram contadas são "verdadeiras". O início do mundo começou num jardim, onde uma serpente tentou Adão e Eva e, a partir daí, tudo começou a ser criado, e descobrimos ainda que existe o Bem e o Mal, representados por anjos e demónios. Agora, que o início está mais ou menos explicado, falta o fim.

No primeiro episódio é dada uma missão de alta importância na Terra ao demónio Crowley e o seu sucesso vai condicionar a Grande Guerra. Em representação do Bem está o anjo Aziraphale, que fará tudo para o travar, sem grande sucesso. Mas é aqui que as novidades começam a aparecer. O Armagedom, descrito na Bíblia como a batalha final entre o Mal e o Bem, está nas mãos de um então recém-nascido, que se irá tornar no Anti-Cristo. A tarefa do demónio será integrá-lo no seio de uma família normal para que, alguns dias depois do seu 11º aniversário, possa desencadear o apocalipse.

Como forma de mediar os conflitos entre o trabalho dos dois, o anjo e o demónio decidem servir como padrinhos do rapaz e acompanhar o seu crescimento por perto, ensinando-o sobre o Bem e o Mal até ao grande dia. 11 anos depois, nada acontece e os dois começam a suspeitar de algo. Afinal, ao longo deste tempo todo, Aziraphale e Crowley estiveram a vigiar o rapaz errado, depois de uma troca atribulada à nascença. Agora é preciso encontrar o rapaz certo e encaminhar tudo para que o fim do mundo aconteça.

Eu diria que esta série é uma mistura de tudo aquilo que possas imaginar. Entre demónios que curtem ao som de Bohemian Rhapsody, freiras satânicas, e um cão gigante demoníaco que, afinal, é um cachorro submisso, misturam-se referências religiosas e pop de uma forma genial. Mas se acham que, com tantas coisas pelo meio, isto só pode ter tido uma inspiração aleatória, estão muito enganados. Esta mini-série é baseada no livro homónimo “Good Omens” (em português, “Bons Augúrios”) de Terry Pratchett e Neil Gaiman, nomes por detrás de várias obras conhecidas. Com apenas 6 episódios, produzidos pela BBC e pela Amazon Studios, está disponível na plataforma Prime Video da Amazon e só peca por acabar.

  • A dupla que faz um brilharete: Michael Sheen e David Tennant interpretam, respetivamente, o anjo e o demónio que nos guiam durante todos os episódios. Com uma química incrível, são um dos pontos altos da série.
  • Mais estrelas: Esta é uma daquelas séries que dá para jogar o jogo “este é o ator que fez personagem X”. Entre os nomes e caras conhecidas temos Jon Hamm, Adria Arjona, Michael McKean e Nick Offerman. Nas vozes de Deus e Satanás estão ainda, respetivamente, Frances McDormand e Benedict Cumberbatch.
Good Omens Good Omens
créditos: Rodrigo Mendes / MadreMedia

Créditos Finais

  • Portugal nos Óscares 2021: Já foi escolhido o filme que vai representar o nosso país. “Listen”, de Ana Rocha de Sousa, vai concorrer ao Óscar de Melhor Filme Internacional.
  • Sem desculpas para o tédio: No próximo fim de semana, para ajudar a combater o aborrecimento do confinamento dentro de casa, os canais TVCine vão estar em sinal aberto. Já escolheste o que vais ver? Espreita aqui a programação para saberes o que te espera.
  • É só um vestido: Nos últimos dias, as redes sociais têm sido inundadas pelas imagens da capa da edição de dezembro da Vogue norte-americana, onde Harry Styles aparece com um vestido. Se há quem partilhe como forma de apoio e admiração, há também quem se sinta ofendido e ache que a masculinidade é definida por uma peça de roupa. Descobre um pouco mais sobre esta capa histórica neste artigo do SAPO24.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.