Diogo Rico vive na Nazaré, mas é de Alcobaça. Assina como Churky, mas o nome nada tem a ver com o famoso boneco de terror. Essa pergunta já lhe foi feita "algumas centenas de vezes". "Churky foi um nickname que comecei a usar quando era criança. Foi ficando, ficando até ninguém saber o meu nome", conta.

Churky começou cedo na música e aos 13 já compunha e tocava em bares. Aos dezasseis abandonou os estudos e fez da música a sua principal ocupação — e dela vive há mais de 10 anos. "É possível, dá trabalho como qualquer trabalho, mas é possível. Já toquei em bares e já fiz várias tourneés pela Europa e pelos EUA. Não sei fazer mais nada, então tive que me agarrar a isto com unhas e dentes".

Vencedor em título do EDP Live Bands 2018, diz que este lhe abriu portas. Entre elas as do NOS Alive, em Oeiras, do MadCool, em Madrid, e do Belém ArtFest, em Lisboa. Festivais onde sempre se imaginou, porém, "não tão rápido". "Lembro-me de estar, um ou dois meses antes de entrar no concurso, a dizer que gostava de estar a tocar no Alive", relembra. A quem, como ele inicialmente teve, tenha alguma relutância em submeter a sua música ao julgamento de iniciativas como esta, diz que "não há que ter medo em tentar a sorte". Porque "estes prémios podem fazer a nossa música chegar a muito mais gente".

"É", editado no início de fevereiro pela Sony, é — redundância à parte — resultado de uma dessas portas que se abriu. Título de uma das canções do disco, não tem propriamente uma razão para se chamar assim. "Quando terminei o disco ainda não tinha um título. Então escrevi todos os títulos das músicas à frente do meu nome para ver qual é que resultava melhor. 'É' foi o mais direto. Mas a mensagem da música também se aplica", conta.

O álbum foi gravado em agosto do ano passado, no Estúdio da Estrela, em Lisboa, por Pedro Gerardo com ajuda na produção de Pedro Trigueiro (Arruada). "Fui o cabecilha de tudo, fiz os arranjos, fiz as canções, escrevi as letras, gravei a maior parte dos instrumentos na pré-produção, depois chamei a minha banda". A música, diz, "é uma coisa tão pessoal que às vezes não dá para estar a pedir a outras pessoas".

Sobre as suas referências, e algumas comparações a Marcelo Camelo, a quem chama "mestre", diz que "é bom que fiquem claras as suas principais influências". "Mas o disco soa mais do que a bossa nova, tem a sujeira do rock e vai também ao jazz. Não me encaixo numa sonoridade, tenho de fazer a minha", deixa assim o seu cartão de visita.

é o que é, como o tema dos D.A.M.A. que este ano concorreu ao Festival da Canção. Certame musical onde também Diogo já passou, mas não como intérprete. "Aos 21 anos, com uma canção que tinha guardada e cujos arranjos depois ficaram da responsabilidade de outra pessoa. Não sei se houve outro compositor com esta idade, mas é possível que não". Voltar a participar, agora como intérprete, não está de lado. "Tinha todo o gosto", diz.

"É" será apresentado, a 14 de março, no Teatro Aveirense, em Aveiro; a 22 do mesmo mês no Musibox, em Lisboa, e no dia seguinte em Alcobaça. Churky promete mais novidades, em breve, para o verão.

No dia em que lança o single que dá o nome ao disco, "É", o músico apresenta-o faixa a faixa.

"Estórias"
A melodia inicial principal desta música esteve anos na minha cabeça. Só quando escrevi a musica Estórias, no início de 2018, é que consegui metê-la numa canção e passá-la para a pauta/estúdio. 

"NNN"
Uma música de self-confidence, que dá destaque ao otimismo. Para nos lembrarmos que vale a pena levar as coisas devagar, dar tempo ao tempo, “porque nada nem ninguém nos vai parar”. Amo o solo de farfisa. 

"Vendaval"
Tinha feito esta canção há alguns anos sem letra, nem parte parte final. A letra só surgiu há dois anos numa tour a solo que fiz em Nova Iorque. Passeei pela cidade e fui escrevendo num blocozinho que tinha na altura. A parte final do arranjo saiu alguns dias antes de entrar em estúdio. 

"Pente fino"
Curiosamente, a letra deste tema foi quase toda improvisada na hora de gravar a pré-produção do disco. Foi algo espontâneo, que saiu naturalmente sem qualquer tipo de esforço. Escrevo sobre coisas reais, emoções e acontecimentos da vida comum, logo a inspiração é constante, trazendo assim a espontaneidade de mão dada.

"Slow dos Ansiosos"
Musica-calmante. Queria escrever uma canção que tivesse esse impacto em mim e nas pessoas. A primeira frase roubei de um amigo que passa a vida a dizê-la. "Calma, o que é preciso é calma". 

"É"
Grande arranjo de sopros, simples e eficaz. É a música que dá nome ao disco por ser super direta na mensagem.
Apesar de relatar que nós metemos problemas em tudo, creio que posso dizer que também é uma música de self-confidence pela conclusão que chega no refrão.

"Agenda"
Esta canção foi feita pra ser uma rapsódia e também há muito que morava na minha cabeça. Não deixou de o ser, na verdade, mas cortei muita parte da primeira versão porque ficava grande demais para o disco, no meu sentir. 

"Trepidação"
Esta é daqueles que eu acordo de manhã inspirado e faço uma música em 2h. Letra inspirada numas viagens de avião por aí. A palavra Aeromoça é um termo brasileiro para Assistente de bordo, mas quando gravei achei piada à fonética da palavra em si. Não tive coragem de mudar. 

"Caramba, né"
What else? A gente chora para caramba, né? Todos passamos por fases menos boas, e esta música é sobre uma dessas fases em mim. Tentando falar com um outro eu. 

"Estórias o fim"
A música que fecha o disco. Adoro o arranjo. Gravei muitos barulhinhos e sons pouco ortodoxos para mim até então. 
A música é uma parte 2 do Estórias, música que abre o disco, e fecha-o com o mesmo verso com que o disco começa. A dar uma ideia de que independentemente de tudo o que a gente faça, voltamos sempre ao mesmo sítio - casa.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.