José Joaquim Cabral venceu, “por unanimidade do júri”, a 4.ª edição do Prémio Literário Arnaldo França, “dirigido a cidadãos cabo-verdianos (a residir em Cabo Verde ou no estrangeiro) ou residentes em Cabo Verde há mais de cinco anos”, de acordo com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, num comunicado hoje divulgado.

O júri, presidido por Manuel Brito-Semedo, citado no comunicado, destacou que “Destino Aziago” é uma obra “que reflete sobre o tema incontornável da diáspora cabo-verdiana, com uma abordagem assinalável na construção sólida das personagens, no desenho emotivo da paisagem e na referência à história, cultura, tradições e dinâmica da sociedade cabo-verdiana, sobretudo são-nicolauense”.

Ainda para o júri, a obra de José Joaquim Cabral “possibilita aos leitores a oportunidade de ter acesso a uma trilogia que fecha o ciclo iniciado por uma obra basilar da Literatura Cabo-Verdiana [‘Chiquinho’, de Baltasar Lopes, de 1947]”.

“Jovens e menos jovens leitores tomam, assim, conhecimento da história da terra cabo-verdiana, com o original feito de escrita a duas mãos, reconhecendo-se igualmente a dinâmica do percurso da identidade cabo-verdiana contemporânea pela chegada, através da ficção, de um dos períodos menos contemplados na historiografia literária nacional” .

Além do escritor, antropólogo e professor Manuel Brito-Semedo, fizeram também parte do júri as professoras universitárias Maria de Fátima Fernandes e Paula Mendes.

“Destino Aziago” foi selecionado entre 14 candidaturas.

José Joaquim Cabral, que concorreu com o pseudónimo Beto Zabel, irá receber cinco mil euros e “deverá ver publicado ainda este ano o seu trabalho com a chancela das duas editoras públicas: Imprensa Nacional, de Lisboa, e Imprensa Nacional, de Cabo Verde”.

José Joaquim Cabral nasceu em 1962, na ilha de São Nicolau, e formou-se em Administração de Empresas no Brasil, em 1990.

De acordo com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, o autor cabo-verdiano foi quadro do Instituto Nacional do Desenvolvimento das Pescas e exerceu funções de direção no Instituto Nacional de Estatística, ocupando-se com questões de planeamento, ambiente e desenvolvimento no município de Tarrafal de São Nicolau.

Atualmente, José Joaquim Cabral exerce funções no Conselho de Administração da Escola do Mar.

José Joaquim Cabral já publicou o romance “Acushnet Avenue” (2019), o romance histórico “Caminho(s) que trilharam” (2014), “Sodade de Nhâ Terra Saninclau” I, II, III (2008, 2009, 2012) e a biografia “Padre Gesualdo Fiorini, Italiano, de São Nicolau, cidadão” (2007).

O Prémio Literário Arnaldo França foi criado tendo em vista a “promoção da língua portuguesa e do talento literário em Cabo Verde, bem como homenagear a destacada figura da literatura e cultura cabo-verdiana Arnaldo França”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.