Face à edição de 2016, o FORTE volta a cativar maioritariamente público estrangeiro (cerca de 70% do total) oriundo de 31 países - com maior incidência em Espanha, França, Reino Unido, Alemanha e Austrália - 12 dos quais de fora da União Europeia, de acordo com a organização.

O festival arranca às 23:00 de hoje com três espetáculos audiovisuais "em estreia absoluta em Portugal": a performance de abertura está a cargo de Lydia Lunch e do seu Medusa's Bed, seguida de Nathan Fake com "Providence".

A meio da madrugada, pelas 03:00, Clark apresenta o seu mais recente espetáculo, intitulado "Death Peak", estendendo-se a primeira noite até às 09:00 de sexta-feira com nomes como Apart, Byetone, Varg e Kangding Ray e Blawan.

Na sexta-feira, o palco principal do FORTE abre às 22:00 com Manu, seguido de Lucy e Peder Mannerfelt. A partir das 02:00 e até às 09:00 atuam os destaques do segundo dia, Oscar Mulero, Jeff Mills e DVS1, "uma noite marcada pelo puro génio divino e o lado mais purista da música eletrónica contemporânea", destaca a organização.

No sábado, têm início as 23 horas consecutivas que se estendem até às 21:00 de domingo, com "sonoridades mais industriais, a propósito dos 20 anos da Hospital Productions" e um encerramento a cargo de Michael Mayer, um dos fundadores da editora alemã Kompact.

A programação do FORTE estende-se ainda ao teatro Esther de Carvalho, uma novidade nesta edição, com as atuações Jonathan Uliel Saldanha, Lussuria e Ex-Continent, "um espaço experimental e intimista" e também ao parque de campismo "criado especialmente para acomodar os visitantes durante o festival".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.