José Cid recebeu esta quarta-feira, em Las Vegas, o seu prémio Grammy de Excelência Musical. E na hora de subir ao palco, no discurso de agradecimento, começou desde logo por pedir desculpas: ia falar na sua língua, a "língua de Camões, a língua de Fernando Pessoa". O vídeo foi publicado na sua página de Facebook.

Já depois de subir ao palco, pediu para que visitassem a "maravilha que é Portugal", mas lembrou que, no que ao talento musical diz respeito, não está sozinho no país.

"Eu não estou sou sozinho. Tenho mais dez cantores da minha geração e mais dez cantores, ou mais, da nova geração fantásticos. Grandes poetas, grandes músicos, grandes cantores", disse.

José Cid pediu também um "aplauso ao meu irmão da música, aqui presente, o Tozé Brito".

Depois, prometeu que vai continuar a fazer as suas canções. Mas não só sobre o amor, mas também aquilo que considera serem os temas que merecem ser ouvidos.

"Vou continuar a cantar, a cantar as minhas canções de amor, as minhas canções de ternura, mas também as minhas canções de ódio, contra a segregação racial, contra o racismo, contra a energia nuclear e contra a poluição, a favor das pessoas que mais necessitam, a favor deste planeta", disse.

Antes de se despedir e sair do palco, brindou os presentes com os versos de "Nasci p'ra música".

O Grammy de Excelência Musical é atribuído "a artistas que fizeram contribuições de significado artístico excecional para a música latina”, de acordo com informação disponível no 'site' da Academia.

Além de José Cid, também Eva Ayllón, Joan Baez, Lupita D’Alessio, Hugo Fattoruso, Pimpinela, Omara Portuondo e José Luis Rodríguez “El Puma” receberam hoje o mesmo galardão.

Na página oficial da Academia Latina de Gravação é referido, num pequeno texto dedicado ao músico português, que José Cid “adaptou-se sem esforço a influência da música popular anglo saxónica ao estilo original do pop rock português”.

“Em 1956, o surgimento de sua banda cover Os Babies marcou um momento de ‘antes e depois’ para o pop rock em Portugal. O seu próximo grupo, o Quarteto 1111, criou as bases do rock português, com uma forte tonalidade psicadélica e lançamentos inovadores, como o enorme sucesso de 1967 ‘A Lenda De El-Rei D. Sebastião’. Continuando como artista a solo, em 1978 lançou ‘10000 Anos Depois Entre Vénus e Marte’, considerado uma obra-prima do rock progressivo”, salienta a mensagem da Academia.

O texto acrescenta que José Cid tem “dezenas de sucessos”, continuando a ser “uma grande atração em concertos em Portugal”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.