“Falas, falas de quem perdeu, dos que não vemos, daqueles cujos corpos chegam, de noite, às nossas praias, fronteiras, acampamentos, Lampedusas, Calais”, lê-se na nota de sala sobre a peça.

“Quantos mortos cobre aquele mar tranquilo que nos uniu a África e agora se ergue como muro da morte, o Mediterrâneo?”, é uma das questões colocadas na peça.

O espetáculo questiona ainda se “será possível trazer ao palco a vida, a dor, o amor, a esperança, a morte dos que não têm história?”.

Nesta peça, Jorge Silva Melo propõe-se abordar o trágico episódio de Dido e Eneias, de “A eneida”, de Virgílio, acabando também por refletir sobre como poder fazer entrar num palco aqueles a quem se retira o direito à vida, como escreve na folha de sala da peça.

“Impotentes, choramos. E não fazemos nada, vivemos”, conclui o encenador e diretor dos Artistas Unidos.

A interpretação é de André Loubet, Andreia Bento, Catarina Wallenstein, Gonçalo Silva, Hugo Tourita, João Pedro Mamede, Luís Coelho, Nuno Gonçalo Rodrigues e Pedro Baptista.

Os figurinos e a cenografia são de Rita Lopes Alves e a luz de Pedro Domingos.

Produzida pelos Artistas Unidos em coprodução com o D. Maria II, a peça vai estar em cena até domingo, com representações de quinta-feira a sábado, às 21:30, e aos domingos, às 16:00.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.