No MaMA Festival & Convention, uma montra da indústria musical, artistas e profissionais procuram exportar a marca Portugal através da música ao vivo e com o selo Portugal Muito Maior.

A conversa com João Gil, rosto e coordenador da iniciativa, aconteceu horas depois da conferência “Portuguese Live Market — a powerful and innovative territory for music”. O painel, que juntou João Gil a Hélio Morais (PAUS) e Álvaro Covões (NOS Alive, Everything is New), entre outros, abriu a décima edição do festival que tem Portugal em foco e que marca a primeira ação “concreta e física” do Portugal Muito Maior.

A conferência foi “uma entrada a pé juntos”, começou por dizer João Gil em jeito de balanço. “Foi uma manifestação muito expressiva dos objetivos do Portugal Muito Maior e do seu raio de ação”.

créditos: Portugal Muito Maior

Explicando a sua génese para depois enumerar os seus objetivos, o Portugal Muito Maior nasceu por iniciativa da última legislatura — Resolução de Conselho de Ministros 50/2018 —, e, à data, com o nome Projeto Meridiano. Para o músico, “não há um histórico” similar: “é primeira vez que o Estado e o Governo estão a olhar para a vertente da exportação da música portuguesa”.

O PMM, continua, está à “um ano e tal” a “construir o seu caminho”; “o avião já está na pista, mas só levantará voo quando a plataforma estiver a funcionar”.

Isto porque um dos objetivos do PMM é “construir uma rádio online e uma plataforma [digital] que albergue, comunique e faça o inventário dos músicos portugueses que vivem em Portugal continental e ilhas, assim como os que vivem espalhados pelo mundo”.  Tutelado pelo Instituto Camões, o PPM quer que a plataforma esteja disponível já no primeiro trimestre de 2020.

Para além do “objetivo tecnológico”, há um outro, que e “já visível aqui no MaMA”, e que passa pelo apoio aos músicos nacionais convidados para feiras como esta — João Gil faz questão de frisar que o PMM “não escolhe artistas, apoia”.

O “apoio à mobilidade dos artistas” não se irá restringir, este ano, ao MaMA. No panorama das feiras e mercados de compra e venda de música, serão contemplados também a WOMEX (Finlândia, de 23 a 27 de outubro) e a SIM (São Paulo, de 4 a 8 de dezembro).

“Para o ano temos mais objetivos, mas ainda é cedo para falar sobre eles”, adianta.

"Não é um luxo, é uma ferramenta"

“Somos facilitadores e estamos a criar opções de negócio”, diz João Gil. Opções que se traduzem, para já, no acima referido apoio à mobilidade e no acesso a uma rede de contactos.

João Gil quer deixar claro que a plataforma “não é um luxo, é uma ferramenta para o uso de todos”. Para tal, realça, “é muito importante que os profissionais se inscrevam, mesmo aqueles que andam nas grandes salas” — já é possível fazê-lo no site, ainda que a plataforma seja lançada mais tarde.

“Estamos a trabalhar para que a exportação da música portuguesa seja uma realidade. Queremos os Capitão Fausto, o Piruka, o Slow J em Toronto, em Sidney ou no Luxemburgo, depois de irem ao Porto, a Almada ou a Faro”.

Isto porque João Gil quer, afirmando estar a “tocar na ferida”, que Portugal “viva ao mesmo tempo, em todo o mundo”. Ou, dito de outra forma, “somar estes artistas a outros e fazer uma atualização ao Portugal da saudade”.

“Precisamos de todos os agentes culturais, mesmo dos que dizem mal do que desconhecem e dos céticos. Dos músicos aos managers, dos produtores aos compradores de espetáculos, todos têm aqui uma ferramenta ótima”.

E deixa um apelo a todos “os que têm dúvidas, estão escaldados ou se sentem enganados”:  “que acreditem!”. “A música e as partes que compõem essa indústria têm de se juntar mais, estar menos de costas voltadas umas para as outras e trabalhar em conjunto”, pede.

Questionado sobre se para essa perspetiva mais cética, entre os artistas, contribuiu, em parte, uma troca de comentários na rede social Facebook entre si e Luís Clara Gomes (Moullinex), a propósito da ausência da equipa do Portugal Muito Maior nos concertos nacionais realizados na edição de 2018 do MaMA Festival, apesar de estarem presentes no certame, João Gil responde que “não é de falar muito, é de fazer mais”.

“Naquela altura, quando me foi questionado, era cedo para dizer o que estou a dizer agora. O ano passado estava cá a fazer repérage, vim ver se [a presença] valia a pena ou não — e percebi que valia. Estamos aqui e já conseguimos dar uma pequena ajuda a cada artista para a sua presença. Estou contente e fico ainda mais contente se a Pongo, o Pedro Mafama, os Paus, os Venga Venga e os Best Youth, depois disto, arranjarem 10-15-20 concertos”.

(A jornalista está no MaMA Festival & Convention, que termina esta sexta-feira, a convite da JUMP – European Music Market Accelerator.)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.