De acordo com a gestora da rede elétrica, durante as três horas em que a intensidade do vento foi maior, a energia produzida teria sido suficiente para abastecer a totalidade do consumo energético nacional.

Atualmente, a produção eólica representa quase 25% do consumo nacional.

No acumulado dos dez primeiros meses do ano, a produção renovável abasteceu 59% do consumo, repartindo-se pela hidráulica com 31%, eólica 22%, a biomassa 5% e fotovoltaica 1,5%.

Em nota à comunicação social, a REN destaca o papel da empresa ao investir de forma permanente no desenvolvimento de mecanismos que permitam prever com maior precisão a produção de energia deste tipo de fontes, por forma a poder tirar o melhor partido das mesmas.

Na semana passada, a Associação de Energias Renováveis (Apren) lançou o alerta de que é urgente um quadro regulatório que transmita confiança aos investidores para modernizarem os ativos eólicos, avisando que Portugal corre o risco de perder terreno na produção eólica.

"Portugal até agora tem resistido a criar legislação para permitir que o parque eólico continue a funcionar através do 'repowering' ou da prolongação da vida útil", disse na altura o administrador da EDP Renováveis e vice-presidente da Apren.

A modernização pode ser feita com a extensão da vida útil - estimada em 20 anos - através da substituição de alguns componentes, ou com o designado 'repowering', isto é, o desmantelamento completo das turbinas e substituição por novas, mais eficientes.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.