"Saltburn" (já disponível na Prime Video) é a segunda longa de Emerald Fennell e o sucessor de "Uma Miúda com Potencial" (2020), filme com Carey Mulligan e que valeu à inglesa um Óscar de Melhor Argumento Original. Além da almejada estatueta dourada, Fennell participou enquanto atriz em "Anna Karenina" (2012) e "A Rapariga Dinamarquesa" (2015), e conta ainda com várias nomeações para os Emmys (como argumentista em "Killing Eve" e por fazer parte de "The Crown", onde interpretou Camilla Parker Bowles).

O Acho Que Vais Gostar Disto (uma newsletter e podcast com recomendações incríveischegou ao Substack!

  • O que é o Substack: é uma plataforma que nos permite continuar a chegar ao vosso e-mail de forma simples, mas também passar a funcionar um pouco numa lógica de blog/site e interagir mais convosco. Podes espreitar a nossa página neste link.
  • Ou seja, na prática: podem continuar a ler-nos (via e-mail às sexta-feiras ou no novo site quando bem entenderem) e a ouvir o podcast como sempre o fizeram. Mas como sabemos que há muita gente que nos lê e ouve todas as semanas, queremos que quem tenha vontade de partilhar ideias e opiniões o possa fazer através da nossa página do Substack.

Portanto, não é descabido afirmar que havia bastante curiosidade e expectativa relativamente ao que aí vinha, uma vez que é considerada uma das novas vozes do cinema britânico. A conversa em torno deste filme, todavia, não é assim tão simples. Mas por partes.

Tal como tinha acontecido no filme de estreia, "Saltburn" também conta a sua história aos ombros — e olhos — de um protagonista. Neste caso, dos de Barry Keoghan, ator que já vimos brilhar em "O Sacrifício de Um Cervo Sagrado" de Yorgos Lanthimos e nos mexeu com o coração em "Os Espíritos de Inisherin". A escudar o talentoso irlandês e a completar o elenco estão o veterano Richard E. Grant, Rosamund Pike e Jacob Elordi (conhecido por ser o quebra-corações Nate Jacobs de "Euphoria", mas que teve um 2023 em grande com este papel e o de Elvis Presley em "Priscilla").

Quanto ao enredo, este leva-nos até à intimidade da alta sociedade britânica. O filme começa na Universidade de Oxford, instituição onde o estudante Oliver Quick (Keoghan), acanhado e com apenas um amigo de registo — o Príncipe Aemond Targaryen de "House of the Dragon" em modo copinho de leite —, vê-se de súbito atraído pelo mundo do charmoso e aristocrático Felix Catton (Elordi). E apesar de Oliver ser pobre e utilizar roupas em segunda mão, este cai nas graças de Felix, que o convida para passar umas férias de verão em Saltburn, uma espécie de palacete do século XIV da sua excêntrica família (e que virou tendência nas redes sociais por estes dias).

Sobre o filme em si, diga-se que dividiu tanto a crítica como as opiniões dos espectadores, que se partiram em dois grupos: a fação dos que não gostaram e dizem que muitas cenas causam choque pelo choque e são gratuitas; e a fação dos que gostaram e elogiam o argumento por se inserir no registo do que se tem feito na sátira dos privilégios dos ricos ("Parasitas", por exemplo). De resto, neste último ponto, diga-se que Fennell satiriza um mundo que bem conhece ou não fosse ela própria uma alumna de Oxford.

Adrian Horton, jornalista do The Guardian, considera num artigo acerca do filme - onde questiona se este é ou não o mais controverso de 2023 - que "Saltburn" é o reflexo de uma época em que o entretenimento pode não precisar de ter substância e ser construído exclusivamente de "vibes". Como exemplo, fez referência a "Euphoria": é uma série bonita, bem realizada, mas as personagens e a própria história são pouco densas e pairam sob um enorme negrume.

Neste episódio, o João Dinis, a Mariana Santos e o Miguel Magalhães falam um pouco de tudo isto. Da controvérsia, das comparações e do porquê de ser um filme que ou se gosta ou se odeia. Certo, só que ninguém fica indiferente. Basta pensar numa das cenas mais escandalosas, que entre o bizarro e uma dança, trouxe a pop efervescente de "Murder On The Dancefloor", de Sophie Ellis-Bextor, de volta à ribalta.

  • Na rubrica dos créditos finais, falamos ainda de “Boardwalk Empire” (HBO Max), “Deixar o Mundo Para Trás” e “Society of the Snow” (ambos da Netflix).
The Brothers Sun | Netflix

Estreias da Semana

Os Irmãos Sun / The Brothers Sun (Netflix). Michelle Yeoh, Óscar de Melhor Atriz em "Tudo em Todo o Lado ao Mesmo Tempo", volta a interpretar uma mãe com quem não se faz farinha. Nesta série de ação, que mistura comédia e drama, Yeoh é "Mamã Sun", matriarca que se vê no "olho do furacão" de uma situação peculiar quando o filho mais velho — um assassino — é obrigado a viajar do Taiwan, onde reside, até Los Angeles, onde está a mãe e o irmão mais novo — que além de ingénuo, não desconfia do verdadeiro negócio da família.

FOE (Prime Video). Protagonizado por Saoirse Ronan ("Lady Bird", "Mulherzinhas") e Paul Mescal ("Normal People", "Aftersun"), é um thriller de ficção científica com mistério baseado no romance best-seller do escritor Ian Reid e realizado por Garth Davis ("Lion", "Maria Madalena"). Hen (Ronan) e Junior (Mescal) cultivam um pedaço de terra isolado, mas a sua vida tranquila é virada do avesso quando um estranho aparece inesperadamente à sua porta com uma proposta perturbadora.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.