No total foram inquiridos 70 agentes, entre 38 empresas e 32 criadores, avançando-se que deverá haver 154 agentes em Portugal, que podem empregar entre 650 e 1200 trabalhadores.

Tentado determinar o volume global de negócios, o estudo apontou para a amostra das empresas inquiridas um “global anual aproximado de 2.100.000 Euros. “Deste modo, estima-se que o volume total de negócios gerado pelas empresas do setor em Portugal se situe num intervalo entre 6 e 12 milhões de Euros”.

O estudo revelou que apenas cerca de 20% das empresas declararam ter receitas superiores a 50 mil euros anuais, enquanto 1/3 respondeu ter receitas inferiores a 10.000 euros anuais, “o que não as torna sustentáveis enquanto fontes de emprego”.

Três empresas declararam volumes de negócios entre 250 mil e 500 mil euros, com os autores do documento a referirem a recusa de várias em revelarem lucros.

Quanto a criadores, “56% afirmaram terem receitas anuais com a atividade ligada aos videojogos inferiores a 2000 euros”.

O estudo indicou que as empresas inquiridas foram responsáveis pelo desenvolvimento de 127 videojogos, dos quais 92% foram comercializados no mercado internacional.

“Este facto deriva da facilidade que existe atualmente em publicar os jogos para plataformas móveis ou PC através das ‘app stores’ (lojas de aplicações) e do Steam (plataforma online de venda), bem como da reduzida dimensão do mercado nacional”, segundo os investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores - Investigação e Desenvolvimento (INESC-ID) e Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT).

Relativamente às fontes de receita associadas, as empresas citam sobretudo a venda do jogo (65%), seguindo-se vendas dentro do jogo e publicidade ou patrocínio, sendo esta última fonte a mais comum entre os criadores (mais de 50%).

O documento mostrou que os videojogos são um setor económico numa fase ainda emergente, com um tecido empresarial muito jovem, organizado em microempresas, e empregando pessoas com elevada qualificação e forte especialização.

As 38 empresas inquiridas indicaram ter 272 trabalhadores a tempo inteiro, 48 a tempo parcial e 55 em regime de freelancer, pelo que se estima que o “volume total de emprego gerado pelas empresas do setor em Portugal se situe no intervalo entre 658 a 1204 trabalhadores”, lê-se.

Em termos de financiamento, há uma “grande dependência dos capitais próprios, com menos de metade das empresas e dos criadores a referirem o recurso a fontes alternativas de financiamento”.

Assim, o documento indica a falta de financiamento privado e de apoio público, nas suas diferentes facetas, como “as principais barreiras ao desenvolvimento do setor dos videojogos em Portugal”.

O atlas avançou com a necessidade de um desenho de políticas públicas específicas, “dada a relevância dos videojogos como produto cultural com grande capacidade de exportação e com elevado valor acrescentado, bem como o seu forte contributo para a inovação noutros setores de atividade”.

Outro caminho apontado foi a necessidade de “impulsionar o modelo tripla-hélice (Educação/Indústria/Governo) para fortalecer o setor”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.