“A solução central para a resolução dos problemas imediatos passa por mais trabalhadores para a manutenção e reparação de comboios e navios, mais trabalhadores para guarnecer a operação da circulação de comboios e navios e trabalhadores para guarnecer estações, bilheteiras e serviços de atendimento a utentes”, refere a Fectrans em comunicado, divulgado na sua página oficial na Internet.

A Fectrans, que reuniu hoje com as comissões de trabalhadores das empresas públicas de transportes, defendeu ainda que caso exista vontade política para a admissão de mais trabalhadores, o Governo “não terá necessidade de repetir o pedido de desculpa aos portugueses”.

“É preocupante o estado de degradação do serviço público de transportes, que tem como consequência um pior serviço às populações e o agravamento das condições de trabalho”, frisa o documento.

No comunicado, a Fectrans salienta que a situação atual é um resultado da “falta de medidas que têm sido reclamadas pelas organizações representativas de trabalhadores junto do atual governo do PS”, de modo a inverter a “linha de destruição do serviço público de transportes desencadeada no mandato do governo do PSD/CDS-PP.

“A falta de trabalhadores, o desinvestimento, a falta de medidas para responder aos problemas no imediato para a recuperação de material circulante, de modo a aumentar-se a capacidade de oferta, são as causas da degradação a que temos assistido”, refere.

A Fectrans lembra ainda muito do serviço só é possível realizar com recurso a trabalho extraordinário e que a situação se vai agravar no futuro.

As organizações de trabalhadores decidiram realizar uma tribuna pública na manhã do dia 18 de junho, na estação do Cais do Sodré, em Lisboa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.