“O Irão está submetido ao regime de verificação mais fiável do mundo em matéria nuclear”, afirmou Yukiya Amano, diretor-geral da agência da ONU, num comunicado.

O acordo de 2015 representa um “progresso importante em matéria de verificação”, disse.

Um porta-voz da AIEA já tinha afirmado na semana passada “não haver qualquer indicação credível de atividades no Irão relacionadas com o desenvolvimento de armas nucleares após 2009″, depois de Israel ter evocado “provas contundentes” de um programa nuclear secreto iraniano.

Segundo a agência, os seus inspetores passaram até ao momento um total de 3.000 horas no terreno no Irão, tendo colocado 2.000 selos invioláveis em equipamentos e materiais nucleares e tido acesso a centenas de milhares de imagens “recolhidas diariamente por sofisticadas câmaras de vigilância”.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou na terça-feira que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo 5+1, constituído pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido) e a Alemanha.

O acordo, concluído em 2015, permitiu o levantamento de parte das sanções internacionais em troca do compromisso de Teerão de limitar o seu programa nuclear a fins civis.

Uma das justificações de Washington é a de que o acordo não é eficiente na vigilância das atividades nucleares do Irão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.