Num balanço feito esta noite, o presidente da Câmara de Alijó, Carlos Magalhães, disse que 30 pessoas foram retiradas por precaução das suas casas em, pelo menos, três aldeias: Chã, Vila Chã e Casas da Serra. Trata-se de idosos, acamados e crianças que foram acolhidas num pavilhão gimnodesportivo.

Não foi evacuada nenhuma localidade "por inteiro", disse à agência Lusa o comandante dos Bombeiros de Alijó, José Carlos Rebelo, esta tarde. Segundo o comandante, há algumas localidades que estavam "na linha de fogo" e que poderiam ficar ameaçadas pelas chamas, como é o caso de Carvalho e Casas da Terra. Até ao momento, as chamas já destruíram "alguns anexos e armazéns", bem como casas devolutas, não havendo registo de casas de primeira habitação afetadas, afirmou.

Na zona industrial de Alijó, as chamas atingiram parcialmente uma fábrica, e, numa adega próxima, várias garrafas rebentaram devido ao calor. Os bombeiros estão a concentrar alguns meios na aldeia de Casais da Serra e a procurar proteger os depósitos de água.

De acordo com o comandante dos Bombeiros de Alijó, "está muito difícil combater o fogo", registando-se ventos de "70 a 80 quilómetros por hora". "Neste momento, todos os meios são necessários", vincou em declarações à imprensa durante a tarde.

O alerta para as chamas foi dado às 01:55 de hoje e o fogo chegou a avançar em três frentes. Ao início da tarde, o fogo tinha sido dado como dominado, mas sofreu, entretanto, uma reativação. Pelas 22:34, o incêndio era combatido por 335 bombeiros, apoiados por 106 viaturas.

Carlos Magalhães disse ao jornal Público que o sistema SIRESP entrou em modo local, o que dificultou as comunicações no terreno.

Quando uma base entra em modo local (LST - Local Site Trunking) ela continua a assegurar comunicações entre todos os terminais que são servidos pela mesma estação base, não sendo possível comunicar com outra estação base.

"Estive duas horas sentado só a ouvir e apercebi-me que a comunicação falha: não sabemos exactamente onde está posicionada cada equipa, onde está a arder. Às tantas, só recorrendo aos telemóveis é que se consegue comunicar”, criticou Carlos Magalhães, em declarações ao jornal.

A Proteção Civil acabou por confirmar mais tarde "falhas pontuais" no sistema.

Patrícia Gaspar, da Proteção Civil, disse que "houve, durante a tarde, algumas falhas pontuais do SIRESP" e adiantou que foi mobilizada "uma estação móvel que estava preventivamente posicionada no Porto, e que já está no local para garantir o reforço da capacidade de comunicações".

A responsável da Proteção Civil disse à agência Lusa que "as comunicações durante estas falhas foram asseguradas através da Rede Operacional dos Bombeiros (ROB)", um procedimento previsto. "Quando se estabelece um plano de comunicações num teatro de operações, nunca é feito com exclusividade à rede SIRESP", integrando-se também a ROB, esclareceu.

O combate ao incêndio em Alijó ficou ainda marcado por um incidente com uma aeronave. Um helicóptero acionado para o combate ao incêndio caiu, mas o piloto não ficou ferido, saindo apenas com escoriações ligeiras, apesar de ter sido levado para o hospital de Vila Real por precaução, afirmou a Autoridade Nacional de Proteção Civil em comunicado.

O aparelho Ecureueil AS350B3 estava a despistar uma anomalia no funcionamento do balde com que recolhe a água para combater os incêndios quando teve um problema. O piloto desligou os circuitos elétricos e a alimentação de combustível e ainda conseguiu sair do aparelho pelo próprio pé.

A GNR isolou a área do acidente e está a recolher indícios para enviar ao Gabinete de Prevenção e Investigação com Aeronaves e Acidentes Ferroviários. A Everjets, que opera os helicópteros ligeiros de combate aos fogos, ja informou que vai instaurar um inquérito ao acidente.

(Notícia atualizada às 22h34)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.