Ativistas pró-Israel nos Estados Unidos acusaram Berlim de não cumprir com o acordo definido há quase 20 anos, na altura em que o estado judaico se juntou ao Grupo Regional da Europa Ocidental e Outros (WEOG) na ONU. O acordo supostamente incluía a promessa de permitir que Israel se candidatasse sem adversários para um dos lugares não permanentes reservados a este Grupo Regional na ONU, mas a Alemanha nega que tenha feito tal promessa.

"Sempre houve diferentes candidaturas", disse o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas aos jornalistas em Nova Iorque, cidade onde está a promover a nomeação de Berlim. "Não vamos contra ninguém. Apenas nos apresentamos para um lugar no Conselho de Segurança".

O embaixador americano em Berlim, Richard Grenell, exigiu no Twitter que "a Europa cumpra a sua palavra".

Israel, Alemanha e Bélgica competem por dois lugares reservados ao Grupo Regional nas eleições da Assembleia Geral em 8 de junho.

No total, cinco cadeiras estão em jogo, sendo três reservadas à África, América Latina e região Ásia/Pacífico.

Os cinco novos membros cumprirão um mandato de dois anos a partir de 2019.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.