Em comunicado enviado à agência Lusa, a comissão executiva do partido liderado por Pedro Santana Lopes lamentou o que se passou na quinta-feira na comissão parlamentar de Educação e Ciência, onde “a direita casou com a extrema-esquerda”.

Em causa está a aprovação da recuperação dos nove anos, quatro meses e 18 dias de serviço congelado aos professores, que contou apenas com os votos contra do PS.

“Como fica demonstrado, em tempo de eleições vale tudo. Os partidos esquecem a responsabilidade e, em desespero, pensam apenas em votos”, afirma a comissão executiva da Aliança, criticando a forma como foi aprovada esta mudança.

O Aliança questiona “a responsabilidade subjacente a um acréscimo de 800 milhões de euros à despesa do Estado e à inexistência de qualquer plano de pagamento deste montante”, defendendo que “em política não vale tudo”.

“Não vale aprovar medidas só porque o desespero eleitoral aperta, a pouco mais de três semanas de os portugueses serem chamados às urnas, para que o próximo que vier fique com o problema em mãos”, adianta, referindo-se à proximidade das eleições europeias.

As críticas também se estendem ao Governo, liderado pelo socialista António Costa, que acusa de “irresponsável” e de ter agido mal ao ter feito promessas que “sabia não poder cumprir”.

A recuperação do tempo integral de serviço congelado vem sendo reivindicado há mais de um ano pelos professores, tendo levado a um longo processo negocial que terminou no início deste ano com a aprovação de um diploma que previa a recuperação de menos de três anos de serviço.

O diploma foi esta quinta-feira alvo de alterações por parte dos deputados do PCP, Bloco de Esquerda, CDS-PP e PSD.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.