“Eu quero e vamos lutar para que o Chega seja o líder de um Governo em Portugal e se os outros quiserem terão de se coligar connosco. Mas nós lideraremos um Governo em Portugal”, referiu.

Falando em Braga, durante uma ação de campanha para as Autárquicas, André Ventura decidiu “elevar a fasquia”, sublinhando que o Chega já não quer apenas ser parte de uma coligação de Governo, mas sim líder de um Governo.

Para as autárquicas de 26 de setembro, vaticinou um resultado “esmagador” para o Chega.

“Se por agora temos uma voz [na Assembleia da República], daqui a 10 ou 12 dias teremos centenas ou milhares de vozes pelo país todo. E essas centenas ou milhares de vozes vão ser o cartão vermelho ao António Costa e ao Partido Socialista, que lhe mostra o caminho de saída da governação em Portugal”, disse ainda.

Afirmando que as Autárquicas “vão ter uma claríssima leitura nacional”, o líder do Chega disse ser importante que, em 26 de setembro, António Costa “não se fique a rir com uma vitória esmagadora do PS”.

Na sua intervenção, André Ventura criticou também que a “preocupação do momento” do presidente do PSD, Rui Rio, seja a transferência do Tribunal Constitucional para Coimbra

Uma preocupação que Ventura considera estar ao mesmo nível da manifestada pela deputada Joacine Katar Moreira com a retirada de painéis da colonização do meio da Assembleia da República.

“Isto não são deputados, isto são fantoches políticos que ali estão para se fazerem vender a si próprios. Nós não nos preocupamos com o supérfluo”, rematou o líder do Chega, lembrando que nesta altura há “tanta gente em Portugal que não tem sequer dinheiro para pôr comida na mesa”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.